Sete bons motivos para registrar uma marca | Por Mônica Santos

Mônica Santos é diretora executiva da AMB Associação de Marcas no Brasil.

Mônica Santos é diretora executiva da AMB Associação de Marcas no Brasil.

A abertura de uma empresa é algo complexo. Não basta ter uma ideia e dinheiro para investir. Há de se conhecer diversos detalhes que farão a diferença no início e decorrer do negócio. Como são muitos detalhes, algo que por vezes passa despercebido é o registro de marcas.

A marca é um patrimônio intangível, mas que representa sua empresa em toda a sua essência. É a cara dela, é aquilo que é apresentado ao público. O primeiro contato de seu cliente com sua empresa.

Essa noção de que a marca é aquilo que o cliente vê, faz com que muitos se foquem, apenas, no estudo de branding e na própria arte da marca, querendo trazer algo de novo ao mercado, que chame atenção. O que a maioria não percebe, ou mesmo não sabe, é que o processo não se limita à criação.

O registro legal da marca é um dos principais aspectos que devem ser considerados no seu processo de criação, mesmo que isso não seja comentado com frequência. Os processos legais envolvidos podem representar problemas ou soluções no futuro. Para que eles representem soluções e benefícios, listamos sete razões pelas quais você deve registrar sua marca:

Segurança contra uso indevido por terceiros a nível nacional: a maioria das pequenas e médias empresas não começam ligadas a uma grande visibilidade. Nessa época da vida da empresa ninguém vai ter interesse em “roubar” sua marca. Conforme sua notoriedade vai crescendo, muitas vezes outro empresário pode querer pegar carona no sucesso da sua empresa, e consequentemente te pegar para si os clientes que seriam seus, ou simplesmente atrapalhar seu empreendimento, te associando a algo totalmente diferente da sua proposta inicial de negócio.

Direito de uso exclusivo da marca: a garantia de que só você poderá usar sua marca, faz toda a diferença. Problemas futuros envolvendo direitos autorais da marca podem ser grandes dores de cabeça. O ideal é manter o uso da marca junto às decisões dos fundadores da organização.

O registro evita perda da marca (proprietário é quem registra, não o criador): imagine se você cria uma empresa, e ela já funciona há dez anos. Todos conhecem sua marca, sabem onde te encontrar. Aí vem alguém e registra sua marca, que você não registrou lá atrás, no começo da empresa. O que acontece? Muitos clientes vão te procurar e encontrar outra empresa. Além disso, muitos vão te procurar e não vão mais poder te achar, pois você, mesmo sendo o criador, não registrou a marca e não poderá mais trabalhar sobre sua bandeira. Imagina se um Mc Donald’s, por exemplo, deixasse de usar o M gigante e amarelo como marca, porque sua marca foi tomada por outra empresa?

Evita que o cliente o confunda com outra empresa concorrente: uma coisa é certa, boas ideias são difíceis de se ter. Por isso guarde bem as suas. Não deixe que um concorrente se aproveite de sua ideia, ou mesmo te atrapalhe por ter uma ideia semelhante. Ser confundido pode trazer muitos problemas, principalmente se a empresa “parecida” estiver com problemas de confiança com o cliente.

Garantia de patrimônio, pois a marca é um patrimônio da empresa: a empresa é sua, e a marca também. Garanta que isso continue assim. A marca é uma propriedade intelectual, e tem valor, aquele valor que o seu bom atendimento ao cliente construiu no mercado.

O investimento é baixo: comparado a ser impedido de usar ou pagar multa por uso indevido, os custos iniciais para o registro são muito pequenos. Não vale a pena economizar agora, e gastar muito depois.

Para não correr o risco de perdê-la: se um concorrente registrar sua marca, mesmo que simplesmente para te atingir, você terá que retirá-la de circulação. É uma estratégia baixa? Sim. Mas acontece, e é melhor estar preparado.

A marca é a porta de entrada para que o seu cliente conheça o seu negócio. Esteja atenta a ela, pois vale a pena, e no futuro seus ganhos serão maiores, pois sua marca valerá muito mais.

Sobre a AMB

Proteger e defender o patrimônio intangível do empresário para evitar problemas no futuro é o principal serviço oferecido pela AMB – Associação de Marcas no Brasil. Com sede na Avenida Paulista, em São Paulo, e uma filial na Vila Fátima, também na capital paulista, os profissionais da AMB se especializaram na proteção e registro de marcas e patentes. Em 2015, a empresa tem o objetivo de inaugurar mais duas filiais, uma em Campinas e outra no Rio de Janeiro.

*Mônica Santos é diretora executiva da AMB Associação de Marcas no Brasil.

 

Outras publicações

Por que é importante regularizar o templo religioso? | Por Mônica Santos Mônica Santos é presidente da AMB - Associação de Marcas no Brasil. Vivemos um tempo em que a igreja está sendo alvo de muitas críticas. É fácil con...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br