Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Feira de Santana avalia que falta democracia no processo para escolha da nova direção da Faeb

Carlos Henrique Ribeiro Rodrigues, presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Feira de Santa, comenta sobre falta de democracia, e autoritarismo na condução da assembleia convocada com a finalidade de eleger a comissão eleitoral. Ele também defende o afastamento do presidente da Faeb, alegando que o mandato foi encerrado no dia 12 de junho de 2015.

Carlos Henrique Ribeiro Rodrigues, presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Feira de Santa, comenta sobre falta de democracia, e autoritarismo na condução da assembleia convocada com a finalidade de eleger a comissão eleitoral. Ele também defende o afastamento do presidente da Faeb, alegando que o mandato foi encerrado no dia 12 de junho de 2015.

Com a finalidade de avaliar a assembleia que definiu a formação da comissão eleitoral, e o processo eletivo para escolha da nova direção da Federação da Agricultura do Estado da Bahia (FAEB), o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Feira de Santana, Carlos Henrique Ribeiro Rodrigues, foi entrevistado na sexta-feira (12/06/2015) na sede da FAEB pelo Jornal Grande Bahia.

Jornal Grande Bahia – Como avalia está assembleia promovida na sede da Faeb, e quais as suas conclusões do que ocorreu?

Carlos Henrique – Nós poderíamos dividir em etapas, mas na verdade só ocorreu uma etapa. Do ponto de vista do encontro, de estar aqui vários sindicatos da Bahia, isso para nós é salutar. Porque o que nós queríamos é que esses momento ocorresse. Mas, infelizmente, não estavam presentes a grande maioria dos representantes. Mas o número que deu quórum.

Gostaríamos que tivesse sido cumprida a pauta, e ela não foi cumprida. Também gostaríamos que ocorresse, exaustivamente, debate de cada ponto da pauta. Apenas foi discutido um ponto da pauta, e esse ponto, logicamente, favoreceu ao presidente da Faeb [João Martins]. Ele, de uma forma autoritária, abruptamente, encerrou a assembleia dizendo que só tinha aquele ponto [sobre a confirmação da chapa da comissão eleitoral apresentada pelo próprio Martins]. Na minha avaliação foi um aspecto altamente negativo.

Outro ponto que chamo a atenção é com relação ao curto espaço de tempo dedicado à assembleia. Observe que eu vim Feira de Santana, e estou muito próximo de Salvador. Mas, colegas percorreram mil quilômetros com a finalidade de participar do debate, e passaram apenas 30 ou 40 minutos em uma assembleia, então isso aí não é democracia.

Quero que fique registrado o meu protesto. Porque eu pensava que realmente nós iriamos poder discutir os problemas que estavam em pauta, e outros problemas também que envolvem e estão em questão no processo eletivo.

Destaco, também, que o mandato do presidente da Faeb encerrou-se hoje, de acordo com ata registrada em cartório. O mandato do senhor João Martins encerrou no dia 12 de junho de 2015.

Jornal Grande Bahia – Quais as implicações disso?

Carlos Henrique – As implicações disso, só a justiça para responder.

Jornal Grande Bahia – Observando que João Martins está há 15 anos no poder. Você acredita que deva ser convocada assembleia com a finalidade de eleger um interventor com o propósito de conduzir a direção da entidade até o fim processo eletivo?

Carlos Henrique – Acredito que sim. Eu acho que será o caminho. Observe que a justiça demonstrou que ocorre vício no processo eletivo da Faeb, decidindo pelo cancelamento do processo. Vamos protestar na justiça, e, com certeza, a justiça irá se mostrar firme, decidindo, de forma clara, que os erros ocorridos nessa assembleia não podem ser aceitos.

Leia +

Gestão de João Martins na presidência da Faeb é suspeita de grave irregularidade. Pecuarista participa de 17 representações em entidades distintas

Gestão da Faeb omite informações e documentos referentes ao processo eleitoral

Justiça determina suspensão da eleição da Faeb, e Chapa Renovar requisita afastamento do presidente João Martins e instalação de comissão eleitoral independente

Assembleia da Faeb é marcada por graves indícios de irregularidade

Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Feira de Santana avalia que falta democracia no processo para escolha da nova direção da Faeb

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.