Jorge Nobre: rochedo e Carvalho d’A Casa da Paz

Jorge Nobre de Carvalho.

Jorge Nobre de Carvalho.

Os adjetivos seriam poucos e os bytes do computador insuficientes para descrever as qualidades e virtudes deste homem de Deus: Jorge Nobre de Carvalho, madeira nobre e de boa cepa. 

O doutor Jorge Nobre de Carvalho, advogado criminalista com prestigiosa banca na Cidade de Itabuna (Bahia), tem como um dos seus clientes contumazes o guardador de carros Neguinho do Rupinol, ao qual presta assistência jurídica gratuita desde os 1980.

Com esta ação voluntária o nosso nobilíssimo jurisconsulto estende o direito à cidadania e dignidade humana a um excluído social, perseguido e discriminado pelas autoridades governamentais, que insistem em tratar o problema dos drogadictos e dos sem-teto como caso de polícia.

Inúmeras vezes o Dr. Jorge já o livrou da cadeia, vítima dos maus tratos do Sistema.

Em reconhecimento aos caritativos serviços prestados pelo nobre causídico, Neguinho do Rupinol — dublê de lavador de carro e rapper — compõe inspiradas canções elogiosas ao “Dr. Jorge Nobre”, as quais podemos ver, ouvir e nos divertir pelo Youtube.

Usando a temática brutalista da música rap, após “fazer” e “acontecer” na letra da canção, o rapper brada:

Quando eu, Neguinho do Rupinol,

‘Se encontra’ preso… como é que faz?

Quem me solta é Jorge Nobre!

Quem me solta é Jorge Nobre!

(Link https://m.youtube.com/watch?v=ym489yjaWmE)

Semanalmente, o folclórico personagem das ruas centrais de Itabuna, Neguinho do Rupinol, visita o escritório do Dr. Jorge com um intuito, pedir a benção e, de quebra, levar alguns trocados.

— Sua benção, meu “pai véio”. O doutor pode me dar dois reais?

Generosamente o Dr. Jorge abre a carteira e se diverte com a já esperada visita do inusitado cliente.

Os adjetivos seriam poucos e os bytes do computador insuficientes para descrever as qualidades e virtudes deste homem de Deus: Jorge Nobre de Carvalho, madeira nobre e de boa cepa.

Genuinamente nordestino de pai e de mãe, Jorge Nobre nasceu no dia 18 de junho de 1947. Graduou-se em Direito pela UESC, se especializando em Direito Penal, e é o atual presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-BA, Seccional de Itabuna.

Pai de três filhos e de cinco netos, Jorge começou a trabalhar muito jovem, aos 14 anos de idade. Na infância foi coroinha de Igreja, e das coisas de Deus jamais se afastou.

O Nobre Amigo é aquele tipo de pessoa que pode ser considerado um buscador espiritual. No passado teve uma vida intensa como católico praticante, e ao longo da sua já provecta vida fez incursões nas religiões evangélicas, no Budismo, no Messianismo, na Seicho-Noie, no Candomblé e na Umbanda.

Durante 26 anos foi atuante na AMORC – Antiga e Mística Ordem Rosacruz; atualmente é membro ativo do Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento (CECP). Me curvo a todo esse cabedal de vivências e experiências e costumo saudá-lo como “mestre Jorge”.

 Jorge Nobre e o Santo Daime

Ao conhecer a Santa Luz do Daime suas buscas cessaram. Tinha encontrado a Estrada do Amor e o Reino da Verdade.

Foi assim: no ano de 1997, Sul da Bahia, lhe apareceu uma jovem senhora para quem fez um trabalho advocatício, cuja família fazia parte da Doutrina do Santo Daime e acompanhava o Padrinho Sebastião Mota de Melo (líder religioso e comunitário), na Amazônia, desde os tempos que este era um dileto discípulo do Mestre Raimundo Irineu Serra, nas terras sagradas do Alto Santo (Rio Branco – Acre) e continuou a sua Missão ao levantar sua bandeira na Colônia Cinco Mil.

 Esta jovem amazônida é sobrinha do Senhor Manoel Corrente, o querido Vô Corrente, caboclo guerreiro patriarca de uma numerosa família, que acompanhou o Padrinho Sebastião na saga do Rio do Ouro e na fundação da Vila Céu do Mapia, na floresta amazônica.

Através dessa cabocla acreana o Nobre Jorge conheceu o Santo Daime, na longínqua Cidade de Boca do Acre – AM, onde teve o primeiro contato com a Sagrada Bebida na Igreja Trono das Estrelas, no Natal de 1997, ocasião em que foi cantado o Hinário “O Cruzeiro” do Mestre Irineu.

Da Boca do Acre o Nobre Amigo subiu numa “voadeira” (barco veloz), navegou pelo Rio Purus, subiu o Igarapé Mapiá e, ao chegar à Vila Céu do Mapiá, após um intenso processo iniciático se tornou um Soldado da Rainha da Floresta, designação que se usa para os velhos e novos adeptos da Doutrina do Daime.

Um raio de luz

Brilha e faz brilhar

Toda esta floresta

De flores vou ornar

Quando da sua volta a Itabuna, quinzenalmente Jorge subia no seu automóvel, e dirigia centenas de quilômetros para comungar do Santo Daime com outros irmãos de fé, lá onde Brilham as Águas da Bahia, em Salvador.

Mudanças auspiciosas acontecem logo depois na vida pessoal e afetiva do Nobre Jorge: adquire uma bela chácara em Ilhéus (Bahia), se tornando jardineiro e campineiro; e conhece a sua nova consorte, alegria da sua existência, a querida e muito amada Nadir Nunes. A sua chegada já estava escrito no Astral:

Alguém te mandei

Vim realizar

Eu aqui cheguei

Na colina vou ficar

Mestre Jorge Nobre tinha um sonho, uma quimera: firmar um ponto de luz no fértil terreno da Chácara Santa Maria, onde reside. E a sua cônjuge Nadir será sua fiel escudeira neste projeto, ao se tornar adepta da Doutrina do Santo Daime.

E assim surge A Casa da Paz, igreja de Daime que tem como patrona a senhora Maria Marques Vieira,  dona Maria Damião, discípula de primeira hora do Mestre Raimundo Irineu Serra, o Rei Juramidã, no replantio da Santa Doutrina do Nosso Senhor Jesus Cristo.

Maria Damião é dona do místico e esotérico hinário O Mensageiro, um dos livros sagrados do Santo Daime.

Tanto que sonhei

Materializar

A Casa da Luz

A Casa da Paz

Oh! Meu Pai meu Deus

Do meu coração

A casa é de Maria

Maria Damião.

A Doutrina do Santo Daime é praticada através de culto essencialmente musical. Um de seus principais ritos denomina-se “hinário”, quando, nas datas festivas do calendário cristão, os adeptos organizam-se no salão em pelotões, separados por gênero, para bailar e cantar ao toque dos maracás, louvando a Deus e aos Seres Divinos.

Os hinos expressam o contato do daimista com a realidade sagrada, são revelações divinas manifestadas em forma musical, e o conteúdo das mensagens, trazido na forma de poesia musicada, expressa a base religiosa e filosófica da doutrina.

Lá na Casa da Paz  Jorge Nobre, seguindo as determinações do Mestre Irineu e do Padrinho Sebastião, “recebe todos que chegar” e assim explande a Doutrina de Juramidã no Sul da Bahia.

O Padrinho Jorge também é poeta nas horas vagas. Em gratidão a Sebastião Mota de Melo, que lhe revelou a Santa Doutrina, ele verseja:

“Foi através do Padrinho Sebastião, que eu encontrei esta Doutrina, e é ele quem me ensina como nela eu caminhar…

“Foi através do Padrinho Sebastião, que eu abri o meu coração para esta Doutrina eu amar…

“Foi através do Padrinho Sebastião, que eu encontrei a verdade, aprendi a lealdade e aos meus irmãos respeitar…

“Foi através do Padrinho Sebastião, que eu abri a Casa da Paz, ele me tornou capaz, para com meus irmãos trabalhar”.

Sucesso, Nobre Irmão e Amigo, nesta sua nobilíssima jornada.

 

 

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. com.br.