Entrevista exclusiva: ministro Jaques Wagner comenta sobre caças Gripen, candidatura a prefeito de Salvador, Operação Lava Jato, e críticas ao ex-presidente Lula

Ministro da Defesa, Jaques Wagner, discursa em Andaraí. Entrevista exclusiva foi concedida durante visita ao município.

Ministro da Defesa, Jaques Wagner, discursa em Andaraí. Entrevista exclusiva foi concedida durante visita ao município.

Ex-governador da Bahia e atual Ministro da Defesa, Jaques Wagner, informa, em entrevista, sobre o programa de caças Gripen NG, avalia os comentários sobre uma possível candidatura a prefeito de Salvador, e faz observações sobre os desdobramentos da Operação Lava Jato, e tentativas de desconstrução da figura política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A entrevista foi concedida com exclusividade ao diretor e editor do Jornal Grande Bahia, Carlos Augusto, durante visita ao município de Andaraí, no sábado (21/06/2015).

Confira a entrevista

Jornal Grande Bahia – Com relação programa de caças Gripen NG. Em qual estágio encontra-se o programa, e qual a perspectiva de entrega da primeira aeronave?

Jaques Wagner – Este é um dos programas estratégicos do Ministério da Defesa. Ele está em curso. Nós assinamos o contrato comercial, e estamos discutindo os últimos aspectos para assinatura do contrato financeiro. O financiamento ocorre através do banco estadual federal sueco, e a última discussão é sobre a taxa de juros.

O primeiro caça Gripen está previsto para chegar em 2020. Não será construído no Brasil. Ele será, integralmente, construído na Suécia. Lembrando que a compra dos caças envolve a transferência de tecnologia da Suécia para o Brasil, em agosto [2015] 250 estudantes brasileiros irão para a Suécia realizar uma especialização. Nesse processo, nós iremos incorporar, paulatinamente, a tecnologia junto ao fabricante de aeronaves Embraer. A Embraer será a principal empresa responsável por fabricar os caças no Brasil.

Com a finalidade de modernizar as Forças Armadas Brasileira, estamos em um processo de desenvolvimento do caça, em conjunto, estamos desenvolvendo o submarino de propulsão nuclear, e entregando veículos blindados Guarani. Os veículos são utilizados para o transporte de tropas terrestres, e são fabricados em Minas Gerais.

JGB – Seu nome foi citado, por veículos de comunicação, como provável candidato a prefeito de Salvador em 2016. Como analisa esses comentários?

Jaques Wagner – Eu agradeço a lembrança de quem comentou com sinceridade. Mas, antecipadamente, eu digo que tenho uma missão no Ministério da Defesa, no governo federal, e não estou colocando meu nome na disputa para prefeito de Salvador.

Completei oito anos como governador do estado, e acredito que a base aliada deve procurar um, ou mais nomes, que possam disputar, bem, a prefeitura da capital. Seguramente, meu nome não estará entre os que irão disputar a prefeitura de Salvador em 2016.

Apesar de toda paixão, e de todo o trabalho que nós desempenhamos, enquanto o governador do estado, na capital baiana, entendo que, agora, minha missão é outra, é ajudar a presidenta Dilma Rousseff nesse segundo mandato.

JGB – Recentemente, ocorreu outra fase da Operação Lava Jato. Como avalia a Operação?

Jaques Wagner – Eu acredito que a Operação Lava Jato deve estar chegando ao final. Ela está chegando ao final, acredito eu. Mas, quem sabe disso é o Ministério Público, a Polícia Federal e o próprio judiciário.

Eu creio que todo mundo que tem culpa no cartório tem que pagar. O país não pode parar para assistir a investigação. Porque nós temos a responsabilidade de trabalhar e fazer a economia crescer. Espero que a Operação seja conclusa. Repetindo, quem tem erro, que pague, e possamos deixar a economia seguindo na normalidade.

JGB – Como avalia os comentários de que existe um ataque, orquestrado, contra a figura do ex-presidente Lula?

Jaques Wagner – Sempre, a oposição vai aproveitar o erro de alguém para tentar desconstruir aqueles que lhes são opositores. O presidente Lula é a maior liderança que nós temos hoje. Inevitavelmente, é a maior liderança política do país. Eu não tenho a menor dúvida de que se puderem, mas não acho que vão conseguir, tentar colocar alguma coisa contra ele, vão colocar. Mas, tenho muita convicção de que não vão obter êxito.

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.