Dr. Francisco Lima e a luta contra a cegueira

Francisco Lima médicoImaginem um médico humilde, próximo do paciente, que lhe transmite confiança e fala de igual para igual, com transparência, seriedade e renova-lhe a esperança? Este é o Dr. Francisco Lima.

Jamais esqueci uma expressão usada por uma oftalmologista aqui de Salvador – Bahia, há alguns anos atrás, quando ela disse:

— Você, Juarez, tem “olho rico”.

Quis dizer, “olho(s) rico(s)” de problemas, porque (quase) todas as possíveis e imagináveis doenças dos olhos acometem este que vos escreve.

Quando eu ainda não trilhava o caminho espiritual, imaginava que morreria cego, assim como meu avô paterno, o Vô Terto.

Todavia, a Espiritualidade Maior me revelou que não, eu não cegaria, pois seria agraciado pela misericórdia Divina. Assim, como tenho fé em Deus, tenho confiança na Sua infinita compaixão pelos seus.

Resumindo o drama: ceguei do olho direito no ano de 1998 — o vilão chamava-se Descolamento de Retina — e, após cirurgia no Centro Brasileiro de Cirurgia dos Olhos (CBCO), em Goiânia – Goiás, tive a visão parcialmente restituída.

Mais recentemente, nos anos de 2013, 2014 e agora em 2015, a visão do “olho bom”, o esquerdo, foi reduzindo drasticamente, e eu estava como que desesperançado.

Retorno ao CBCO, em Goiânia e, após consulta e exames com o Dr. Francisco Lima, veio o veredicto do oftalmologista:

— É urgente realizar a cirurgia de trabeculectomia no seu olho esquerdo.

O vilão da vez, na atualidade, é o famigerado Glaucoma.

E assim, no mês de abril de 2015, tive a oportunidade de conhecer e ter a saúde dos olhos cuidada por este gentleman, ótimo profissional, que tem as nobres virtudes da dedicação, ponderação, seriedade e, acima de tudo, humildade na sua condição de profissional da saúde e médico-cientista.

O Dr. Francisco Eduardo Lopes de Lima é graduado em Medicina e tem doutorado na área de Oftalmologia pela Universidade de São Paulo. Pela sua atividade cientifica inovadora recebeu um prêmio internacional em Seattle pela Melhor Técnica Cirúrgica no “1999 Film Festival Winner”, da Sociedade Americana de Catarata e Cirurgia Refrativa, nos EUA.

É chefe do Departamento de Glaucoma do CBCO (Centro Brasileiro de Cirurgia de Olhos). Atua como professor afiliado da Universidade Federal de Goiás. É membro das principais sociedades científicas nacionais e internacionais e presidente da Sociedade Brasileira de Glaucoma (biênios 2013-2015 e 2015-2017).

Com todos esses predicados Francisco Lima é o cara. Porém, imaginem um médico humilde, próximo do paciente, que lhe transmite confiança e fala de igual para igual, com transparência, seriedade e renova-lhe a esperança? Este é o Dr. Francisco Lima.

Na sua atividade como presidente da Sociedade Brasileira de Glaucoma desenvolve a nobre missão educativa de alertar os brasileiros para os riscos desta grave doença dos olhos.

E, além de tudo, investe na capacitação dos seus colegas oftalmologistas a entenderem e enfrentarem essa ameaçadora doença.

O glaucoma é uma doença ocular que representa uma das principais causas de cegueira irreversível no mundo.

A doença pode destruir gradativamente os “fios elétricos” (nervo óptico) que ligam o olho ao cérebro, causando pontos cegos na área de visão.

Traiçoeira, as pessoas geralmente não sentem dor e raramente notam os referidos pontos cegos, até que considerável e irreversível dano ao nervo óptico tenha ocorrido. Se todo o nervo for destruído, isto resultará em cegueira definitiva.

No meu caso, Juarez Bomfim, parte considerável da visão eu já havia perdido. Irreversivelmente. A esperança é que a cirurgia e o tratamento continuado estanquem o avanço da cegueira.

Para isso confio no Dr. Francisco Lima e a equipe do CBCO, que me devolveu a esperança de continuar a enxergar o nascer de cada dia e o rosto de uma criança.

Assim seja.

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. com.br.