Feira de Santana: a lagoa do Subaé “clama” por vida

Habitações são construídas na cota de alagamento da Lagoa do Subaé em Feira de Santana.

Habitações são construídas na cota de alagamento da Lagoa do Subaé em Feira de Santana.

Na tarde de ontem (22/04/2015), moradores do Residencial Parque Lagoa do Subaé, em Feira de Santana, recepcionaram a equipe do Jornal Grande Bahia com a finalidade de protestar contra o nível de degradação ambiental da lagoa Suabé, tendo como consequência a perda de qualidade de vida na localidade.

Os moradores relataram que com as chuvas de abril o nível da lagoa subiu, mas uma obstrução de concreto e pedra impede que a água da lagoa circule de forma livre. A obstrução da água ocasiona o aumento de insetos, contribuindo com a degradação da qualidade de vida dos moradores.

Eles informaram que além da obstrução, o loteamento implantando pela Falcão Urbanizadora não preservou as margens da lagoa com o plantio de árvores. Eles também lamentaram que habitações estejam sendo erguidas na conta de alagamento da lagoa, o que ocasiona a destruição do manancial hídrico.

Denúncia

A degradação ambiental da lagoa do Subaé foi denunciada ao Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA). Na época, Luciano Taques, responsável pela 1º Promotoria do Meio Ambiente de Feira de Santana, instaurou inquérito para apurar o fato. Mas, quando estava prestes a promover o inquérito em denúncia, foi removido de Feira de Santana.

Na tarde de ontem, a equipe do jornal protocolou requerimento de informações junto ao MPBA com a finalidade de obter dados do órgão sobre o atual encaminhamento do inquérito.

Reportagens

Os jornais Tribuna Feirense e Folha do Estado, após o conjunto de matérias publicadas pelo Jornal Grande Bahia, produziram reportagens e confirmaram a destruição ambiental e social da localidade.

Gestor comprometido

Segundo fontes ligadas ao prefeito José Ronaldo de Carvalho (DEM), a orientação do gestor é no sentido de a administração municipal atuar na fiscalização e defesa do meio ambiente, com a preservação dos mananciais hídricos. Neste sentido, o gestor demonstra compromisso com o meio ambiente. Mas, falhas dos subordinados comprometem a orientação de defesa do meio ambiente.

Investimento

Ao lado do residencial, a Construtora FCK edifica o Centro de Logística Subaé (CLM Subaé). Procurados pelo Jornal Grande Bahia, a empresa informou que foram destinados 36 mil m2 para implantação da área verde, e que a área selecionada fica as margens da lagoa.

“Contratamos uma consultoria ambiental com a finalidade de requalificar ambientalmente as margens da lagoa que fica no limite do CLM Subaé. Além de recuperar a lagoa, vamos plantar árvores, formando um cinturão verde em torno da lagoa. Manteremos uma margem de segurança distante 50 metros da lagoa. Quanto mais belo o local, e ambientalmente adequado, mais valorizado é nosso empreendimento e o conceito da marca da empresa.”, declara a direção.

Responsabilidade ambiental

Lamentavelmente o espírito socioambiental dos empreendedores do CLM Subaé parece ser pouco comum na comunidade empresarial de Feira de Santana. Em diversas partes da cidade é perceptível a ocupação de espaços públicos, a exemplo de calçadas e recuos, com a finalidade de estender os domínios da propriedade privada.

Leia +

Feira de Santana: Ampliando a degradação ambiental, implantação de etapa do loteamento residencial Parque Lagoa do Subaé é feita em zona industrial

Confira a imagem da lagoa

Degradação da lagoa do Subaé compromete a qualidade de vida dos munícipes de Feira de Santana. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)

Degradação da lagoa do Subaé compromete a qualidade de vida dos munícipes de Feira de Santana. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).