O Golpe de 1964 e o atual

Golpe Militar - 1964

Golpe Militar – 1964

O Golpe Militar de 1964 no Brasil foi uma coisa horrorosa! Deixou sequelas e feridas que até hoje não cicatrizaram! O circo começou a pegar fogo no dia 19 de março de 1964, quando foi realizada em São Paulo uma “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”. Por todo o trajeto os participantes rogavam a Deus e aos militares, que salvassem o Brasil de um possível comunismo – a maioria dos participantes não sabia e continua sem saber o significado da palavra comunismo – representado pela imagem do presidente João Goulart (Jango).

O sinal verde para o Golpe aconteceu quando Jango resolveu apoiar a manifestação dos marinheiros, na cidade do Rio de Janeiro, no dia 30 de março de 1964. Esta atitude do Presidente João Goulart foi o pavio para o Alto Comando das Forças Armadas, rotular o presidente de insuflar os procedimentos insubordinados que inquietava a hierarquia militar. Estava deflagrado o Golpe.

Hoje vemos, infelizmente, jovens reacionários defendendo a volta da ditadura. Estes, com certeza, nunca estudaram a história política do Brasil para compreender que esta foi a pior época do país; ou são indivíduos de idade mais avançada, analfabetos políticos, que desejam a volta de um passado sombrio que apavora as instituições democráticas e provoca asco aos brasileiros que acreditam e que confiam no estado democrático.

Um regime ditatorial traria em seu bojo a tortura, o exilio, cerceamento da liberdade e a morte. Portanto, os que desejam a volta deste regime, cometem um paradoxo nos comentários nas redes sociais, quando classificam o atual governo de ditadura. São uns irresponsáveis que deveriam pesquisar sobre o golpe de 64, antes de promoverem os movimentos das ruas; massa de manobra da direita coxinha que não aceita a derrota nas urnas, porque fere seus interesses particulares.

Assim sendo, quando assistimos pessoas promovendo manifestações em prol da volta da ditadura, com certeza eles não sabem o que estão dizendo. Quem sabe como foi esta página negra da história nacional, não diz tamanha asneira. Estas atitudes que vemos nas ruas, nos telejornais, revistas, entre outros meios de comunicação é um mix de ignorância, arrogância e ingenuidade. Se soubessem, não seriam capazes de querer a volta do choro de crianças torturadas, de famílias destruídas, das lágrimas de mães e esposas desesperadas. Com certeza este pensamento só pode ser de pessoas, imbecis, que estão a serviço dos EUA.

Conforme afirma Juca Kfouri, “o protesto das varandas de ontem (dia 8 de março) tem explicação: Foi contra o incômodo que a elite branca sente ao disputar espaço com esta gente diferenciada que anda frequentando aeroportos, congestionando o trânsito e disputando vaga na universidade”.

Portanto, podemos afirmar que este desejo exacerbado pela volta da ditadura nada mais é do que a vontade da direita de derrubar o governo Dilma e entregar a Petrobras aos EEUU, que provocou os mesmos conflitos no Iraque de forma sangrenta, e se apossaram do poder. “E para a direita irresponsável, o Brasil e o povo brasileiro que se exploda”.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.