Operação Lava Jato | Silêncio de Paulo Roberto Costa frustra CPI

A CPMI ouviu ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Costa foi convocado pela CPMI para falar sobre os termos da delação premiada acertada com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal. Na delação, o ex-diretor da estatal cita nomes de políticos que teriam recebido propina no suposto esquema investigado na Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

A CPMI ouviu ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Costa foi convocado pela CPMI para falar sobre os termos da delação premiada acertada com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal. Na delação, o ex-diretor da estatal cita nomes de políticos que teriam recebido propina no suposto esquema investigado na Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa não respondeu a uma única pergunta durante o depoimento à CPI Mista, nesta quarta-feira (17/09/2014). O executivo, que deveria ter sido ouvido como investigado, fez uso do direito de não produzir provas contra ele. Nem ao menos confirmou se fechou um acordo com a justiça para dizer o que sabe sobre corrupção na Petrobras, lavagem de dinheiro e remessa ilegal de recursos ao exterior, em troca de redução de eventuais penas.

O presidente da CPI Mista, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) considerou a reunião frustrante e lamentou que Paulo Roberto Costa tenha concordado em colaborar com a justiça, mas não com a comissão de inquérito. Segundo Vital, o próximo passo será sensibilizar o Supremo Tribunal Federal para que seja compartilhada toda a documentação resultante da delação premiada do ex-funcionário da Petrobras. O encontro com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, está previsto para a próxima terça-feira (23), às 18h.

– Se a gente não trouxesse o Paulo Roberto, seríamos criticados por estarmos sendo omissos. Não admitimos nenhuma crítica à nossa posição. Nos posicionamos de forma muito presente e determinada em trazer aqui aquele que poderia colaborar com a CPI. Só que ele utilizou uma garantia constitucional, que todo acusado tem, de não produzir provas contra si – resumiu Vital do Rêgo.

O relator da comissão, deputado Marco Maia (PT-RS), esperava que Paulo Roberto Costa pudesse colaborar e considerou lamentável a opção pelo silêncio, inclusive em questões não relacionadas à delação premiada.

– De qualquer forma, vamos continuar o trabalho. Temos muita informação. Todos os dias chegam novos documentos e nós vamos continuar trabalhando. Não descarto que o Paulo Roberto Costa, depois que nós tenhamos as informações da delação premiada, retorne a esta CPI para tratar sobre os temas da delação – informou.

Palanque político

Diante do silêncio de Paulo Roberto Costa, a reunião da CPI Mista da Petrobras se transformou em um ringue verbal entre oposição e bancada governista. O deputado Antônio Imbassahy (PSDB-BA) disse que a presidente Dilma Rousseff foi um fracasso como presidente do Conselho de Administração da Petrobras, função que ela ocupou durante o governo Lula.

– A presidente Dilma fracassou ao dirigir a Petrobras e, com isso, também demonstrou a sua incapacidade para presidir o Brasil. O que nós queremos é uma mudança na conduta e ética na política brasileira – atacou.

Em resposta, o deputado Afonso Florence (PT-BA), afirmou que o Partido dos Trabalhadores e o governo federal têm todo interesse que todos os fatos sejam investigados, perguntas feitas e documentos analisados.

– Nós não temos dúvida de que o resultado das investigações demonstrará a isenção na condução da Petrobras no período do governo Lula e no período do Governo Dilma, diferentemente do que ocorreu no governo anterior, quando o procurador-geral da República ficou notoriamente conhecido como “engavetador geral da República” – disse Florence.

O líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ) assegurou que o partido queria que Paulo Roberto confirmasse ou desmentisse o suposto envolvimento de parlamentares em corrupção na Petrobras. Segundo reportagem da revista Isto É desta semana, o deputado do PMDB estaria nessa relação.

– O PMDB não tem medo de ninguém, nem de A nem de B nem de C. Eu não acredito naquela revista [Isto É]. Ela não tem credibilidade, eu não tenho nada a temer, não devo nada. Não acredito que meu nome foi citado por Paulo Roberto Costa na delação premiada – disparou Cunha.

Contadora

O próximo depoimento à CPI Mista da Petrobras deve ser o da ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, Meire Poza. A convocação dela foi aprovada nesta quarta-feira, assim como a solicitação da cópia de todos os depoimentos prestados por ela ao Ministério Público e à Polícia Federal.

Em agosto, ela esteve no Conselho de Ética da Câmara, onde disse que o deputado Luiz Argôlo (SD-BA) recebeu dinheiro do doleiro e que os dois mantinham “negócios ilícitos”. Em 3 de junho, a CPI Mista aprovou mais de 200 requerimentos, entre eles o da convocação do doleiro Youssef. O depoimento dele, no entanto, não foi marcado ainda.

Com informações da Agência Senado.

Leia +

Operação Lava Jato | Silêncio de Paulo Roberto Costa frustra CPI

Operação Lava Jato | Ministro Gilberto Carvalho diz que denúncias são “boataria” e têm caráter eleitoreiro

Operação Lava Jato | Presidenta Dilma Rousseff defende reforma política e apuração de denúncias envolvendo a Petrobras

Operação Lava Jato | “Organização criminosa atuava dentro da Petrobras”, afirma senador Aécio Neves

Revista Veja publica reportagem que revela um dos maiores casos de corrupção do país, envolvendo Petrobras, empresas privadas, partidos políticos, governadores, senadores e deputados

Operação Lava Jato | Relator espera votar até outubro processo contra deputado federal Luiz Argôlo

Operação Lava Jato | Contadora divulga aúdio em que advogado do deputado Luiz Argôlo oferece dinheiro por silêncio

Operação Lava Jato | Ex-contadora de Youssef nega chantagem contra deputado Luiz Argôlo

Operação Lava Jato | Empresário do sul da Bahia diz estranhar acusações contra deputado Luiz Argôlo

Operação Lava Jato | Deputado federal Luiz Argôlo nega denúncias em depoimento ao Conselho de Ética

Corrupção na República | Ex-contadora afirma que deputado federal Luiz Argôlo recebeu mais de R$ 1 milhão de Alberto Youssef

Conselho de Ética ouve testemunha de defesa do deputado federal Luiz Argôlo

Conselho de Ética aprova continuidade de processo contra deputado federal Luiz Argôlo

Conselho de Ética adia votação de parecer contra deputado baiano Luiz Argôlo

Câmara Federal inicia processo de cassação do mandato do deputado baiano Luiz Argôlo

Mesa Diretora aprova abertura de processo contra o deputado federal Luiz Argôlo no Conselho de Ética

Juiz Federal diz que investigações envolvendo o doleiro Alberto Youssef não indicavam a presença de políticos com foro especial

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]