Empresários de Feira de Santana preparam campanha para denunciar estado de desordem do centro comercial

Acesso lateral em Marcado de Arte é tomado por barracas que obstruem o trânsito de pessoas. Além de dificultar serviços de combate a incêndio, saúde e segurança. Modelo de ocupação é inadequado e produz problemas sociais em longo prazo.

Acesso lateral em Marcado de Arte é tomado por barracas que obstruem o trânsito de pessoas. Além de dificultar serviços de combate a incêndio, saúde e segurança. Modelo de ocupação é inadequado e produz problemas sociais em longo prazo.

Centro de Feira de Santana é ocupado irregularmente por vários tipos de construção, algumas receberam chancela da prefeitura. Falta de visão política de sociedade.

Centro de Feira de Santana é ocupado irregularmente por vários tipos de construção, algumas receberam chancela da prefeitura. Falta de visão política de sociedade.

Barracas impedem que cidadãos possam chegar as calçadas.

Barracas impedem que cidadãos possam chegar as calçadas.

Uma fonte informou ao Jornal Grande Bahia que dentro de poucos dias serão apresentados, em cartazes de outdoor, o estado de abandono do centro comercial de Feira de Santana. A iniciativa partiu de um grupo de empresários que sentindo a crescente perda de negócios em função do estado de abandono e desordem em que se encontra o centro da cidade, resolveram sair do silêncio, assumindo um tom crítico em relação à administração municipal.

A fonte revelou que a campanha está sendo desenvolvida pelo filho do radialista Dilton Coutinho, Dilton Junior, proprietário da agência UM Propaganda. Nos cartazes, imagens do centro da cidade com frases cobrando soluções, serão utilizadas como elementos de mobilização da sociedade em torno da temática.

Além da desordem, a dificuldade em estacionar veículos, e a elevada cobrança dos estacionamentos privados, que aumentam os lucros sonegando impostos, uma vez que não entregam cupom fiscal quando recebem o pagamento pelo serviço, desenham um quadro em que o consumidor se vê compelido a buscar na comodidade do shopping Boulevard Feira de Santana a opção de compras.

As perdas são consideráveis e a classe empresarial que por muito tempo se manteve acrítica, buscando empregar os parentes nas máquinas públicas municipal e estadual, despertou para a necessidade de construir um sociedade mais equilibrada. É um começo, tímido, mas um começo.

JGB iniciou discussão

Uma das possibilidades de maior transformação na sociedade é quando veículos de comunicação deixam interesses comerciais e pessoais de lado e partem para denunciar, questionar, discutir e apresentar opiniões sobre a sociedade em que está inserido. Desde a fundação, o Jornal Grande Bahia tem tido este papel, de debater a sociedade.

Duas reportagens, ilustradas com imagens contundentes, denunciaram o deplorável estado de desorganização urbana e social em que se encontra a “Princesa do Sertão”. A primeira reportagem foi publicada em 14 de fevereiro de 2013 com o título ‘Jornal Grande Bahia estreia série de reportagens ‘Cartões Postais de Feira de Santana’’, a segunda reportagem foi publicada em 24 de fevereiro de 2013, com o título ‘‘Cartões Postais de Feira de Santana’ visita o centro da cidade e constata o abandono por parte da gestão pública’.

As reportagens tiveram significativo impacto na sociedade, levando a um processo de discussão. Que foi seguido por promessas do governo municipal com o “pacto da Feira”. Além de mobilizar segmentos sociais para a tragédia que se constitui a desorganização espacial e social da cidade.

Não apenas estes temas, mas, em um tom mais profundo, o Grande Bahia tem denunciado a falta de políticas de desenvolvimento econômico e social que conduza a população a patamares civilizatórios enquanto sociedade.

Leia +

Empresários de Feira de Santana preparam campanha para denunciar estado de desordem do centro comercial

Jornal Grande Bahia estreia série de reportagens ‘Cartões Postais de Feira de Santana

Cartões Postais de Feira de Santana’ visita o centro da cidade e constata o abandono por parte da gestão pública

Sindicatos dos Camelôs de Feira de Santana critica duramente Prefeitura de Feira de Santana e afirma que existe desinformação e falta diálogo

Representante dos camelôs diz que ruas são ocupadas com o consentimento de políticos de Feira de Santana e que propostas do Pacto não atendem a classe

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).