Feira de Santana: vereador Beldes diz que é pouco o que foi apresentado nos 100 dias de Governo Ronaldo

“Triste de uma mesa em que o maior prato é um pires”. O vereador Beldes Ramos (PT) utilizou esta frase, na manhã desta quarta-feira (17/04/2013), na tribuna da Câmara, para criticar os vereadores da bancada governista, que, segundo ele, estão satisfeitos com os 100 primeiros dias de gestão do prefeito José Ronaldo.

“Depois da avaliação que a bancada de oposição fez acerca dos 100 dias do governo Ronaldo, não foram poucos os vereadores da base governista que se posicionaram, nesta tribuna, em defesa do prefeito; parece que todos eles estão satisfeitos e alguns chegam até endeusá-lo”, disse.

O petista ressaltou que o Governo Municipal tem anunciado construção de praças, enquanto que se encontra “totalmente abandonada” a Escola Municipal Celso Ribeiro Daltro, na Queimadinha.

Também no mesmo bairro, ele afirmou que na Escola Municipal Coriolano Farias de Carvalho “os professores estão dividindo o lanche porque não tem merenda escolar desde que começaram as aulas”.

Informou ainda que a Escola Municipal Crispiniano Ferreira, no distrito da Matinha, “as mães estão fazendo a limpeza daquela unidade de ensino, por falta de funcionários no local”.

Na oportunidade, Beldes também cobrou providências urgentes para a situação do transporte coletivo urbano de Feira de Santana.

Em seguida, ele disse que houve duas ações efetivas na atual administração municipal: “a retirada dos vendedores ambulantes que trabalhavam na Praça Bernadino Bahia e na avenida Senhor dos Passos”.

Todavia, o petista observa que essa ação da Prefeitura preocupa os ambulantes da rua Marechal Deodoro, uma vez que, segundo Beldes, o poder público municipal não apresentou ainda uma alternativa de trabalho para esses comerciantes informais.

“Repito: triste de uma mesa em que o maior prato é um pires, porque não podemos nos contentar com o pouco que vem sendo apresentado”, pontuou.

Em aparte, o vereador Isaías de Diogo (PPS) respondeu o petista, citando a frase: “quem tem telhado de vidro não atira pedra no do vizinho”.

Na sequência, ele fez a leitura de um trecho da matéria do site Acorda Cidade, intitulada: “Estudantes reclamam da falta de estrutura do Colégio Luís Eduardo Magalhães”, que diz que “para não ficar sem aula, a direção do colégio improvisou uma sala no andar térreo, mas o local também é inadequado”.

Novamente com o uso da palavra, o vereador Beldes afirmou que se trata de uma situação pontual na rede estadual, “ao contrário da rede municipal que falta merenda escolar e professor”, criticou.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).