Câmara Municipal de Assunção pede revogação de cidadania de produtor de soja brasileiro

A Junta Municipal de Assunção aprovou, na tarde de hoje (15/02/2012), uma resolução declarando o produtor de soja brasileiro Tranquilo Favero “pessoa não grata” por “denegrir o povo paraguaio”. Os conselheiros municipais também aprovaram uma segunda resolução que autoriza o poder Legislativo Municipal enviar aos ministérios das Relações Exteriores e do Interior, bem como ao Departamento Nacional de Migração, um pedido para que seja revogada a cidadania paraguaia concedida ao fazendeiro.

Conhecido como “O Rei da Soja”, Favero é um dos maiores proprietários de terras do Paraguai, onde vive há mais de 40 anos. As declarações de Favero à imprensa brasileira repercutiram no país e, segundo a vice-presidenta do Partido do Movimento ao Socialismo (P-MAS), Rocío Casco, provocaram indignação entre lideranças políticas e sociais.

No Twitter, a vereadora Karina Rodrigués anunciou que ambas as resoluções foram aprovadas por unanimidade. Para o partido de esquerda, além de denegrir a figura da mulher, o brasileiro fez apologia à violência.

Segundo a IP Paraguay, agência de notícias pública paraguaia, o P-MAS já havia divulgado, ontem (14/02) um comunicado repudiando as expressões sexistas e os elogios que Favero fez à ditadura do ex-presidente Alfredo Stroessner (1954-1989).

Procurada, a assessoria de Favero disse que o empresário e seus advogados estão estudando o que fazer para reverter a situação, da qual ainda não foram oficialmente comunicados, tendo tomado conhecimento por meio da imprensa paraguaia. A assessoria disse que o fazendeiro não pretende conceder novas entrevistas e não comentou o teor das declarações que motivaram a decisão da junta municipal.

A decisão foi anunciada poucos dias após os carperos (sem-terra paraguaios) darem um ultimato ao governo do presidente Fernando Lugo. Eles querem uma solução para a questão das terras ocupadas há décadas por colonos brasileiros. “As terras foram adquiridas ilegalmente e precisam ser restituídsa ao Estado”, disse à Agência Brasil, Federico Ayala, um dos líderes dos carperos.

Os conflitos por terra se intensificaram nos últimos meses, quando as ocupações e cercos à propriedades de brasileiros aumentaram. Sobretudo na cidade de Ñacunday, onde ficam as terras de Favero, que os sem-terra vêm ameaçando ocupar há semanas. Em 2008, uma propriedade dele no município de Capiibary, a cerca de 350 quilômetros ao nordeste de Assunção, chegou a ser ocupada por sem-terra.

*Com informação : Agência Brasil

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Publicidade

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]