Período de carnaval exige cuidados com a voz profissional

Álcool, fumo e falta de orientação são os principais vilões. Rouquidão e perda de alcance vocal estão entre os problemas mais comuns.

Os ensaios dos grupos musicais já começaram para o carnaval 2012. Agora, a maratona deste período só terminará nas avenidas depois de horas e horas em cima dos trios elétricos. Mas será que os cantores dão a atenção necessária e estão bem orientados quanto à utilização do seu melhor instrumento de trabalho: a voz?

A cantora Margareth Menezes demonstra estar atenta à saúde vocal. “Reforço os cuidados na hidratação, cumpro horas de sono, me alimento bem e também realizo exercícios de aquecimento e desaquecimento das cordas vocais antes e depois das apresentações”, relata Margareth.

Segundo a cantora, neste período de carnaval, esses cuidados se intensificam. “Quando chega próximo à folia, em geral um mês antes, visito um profissional especializado e sigo à risca um programa elaborado por ele. No Carnaval, nós cantamos por no mínimo quatro e no máximo nove horas seguidas. É extenuante para o corpo e, por isso, é preciso estar bem preparado”, afirma a precursora do Afropop Brasileiro.

Para a médica e vice-presidente da Sociedade de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Bahia, Clarice Saba, infelizmente, mesmo nos dias atuais, muitos cantores não cuidam corretamente da voz. “Ainda existe, por exemplo, quem acredite no mito de que, para aquecer a corda vocal, é bom utilizar bebida alcoólica”, alerta a médica.

Problemas

Clarice Saba explica que os principais problemas que podem aparecer na voz do cantor profissional são a disfonia (rouquidão) e a “falha” da voz, perdendo, por exemplo, o alcance de agudos ou graves, o que prejudica a performance do cantor.

Além do álcool, o fumo é um inimigo em potencial das cordas vocais. “Fumar prejudica a todos. A voz profissional, em especial, é afetada quando a alta temperatura e os agentes químicos trazidos pela fumaça entram em contato com as pregas vocais na inspiração e na expiração, lesando aos poucos sua estrutura”, esclarece Saba.

Cuidados

Ao profissional que for utilizar a voz por muito tempo, como é o caso dos cantores durante o carnaval, Clarice Saba faz algumas recomendações:

– Fazer aquecimento vocal antes e o desaquecimento/relaxamento depois.

– Realizar exercícios específicos.

– Respeitar o seu alcance vocal (o que pode ser trabalhado com exercício vocal).

– Beber água natural durante o uso da voz e também não tomar gelado imediatamente após.

– Cuidar da alimentação – a hiperacidez pode afetar as pregas vocais e consequentemente a voz.

– Ter o acompanhamento de um otorrinolaringologista para realizar o controle da laringe e pregas vocais.

– Buscar a orientação e acompanhamento de um fonoaudiólogo.

Como fontes para esta matéria sugerimos a otorrinolaringologista Clarice Saba e a cantora Margareth Menezes.

Currículo Clarice Saba: Vice-presidente da Sociedade de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Bahia; coordenadora e idealizadora do Ambulatório de Zumbido da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, que atende pelo SUS cerca de 120 pacientes por mês; diretora técnica do Centro de Otorrinolaringologia da Bahia (CEOB); preceptora da Residência Médica em Otorrinolaringologia da Santa Casa de Misericórdia da Bahia – Hospital Santa Izabel; e fellow dos hospitais Jackson Memorial Hospital (USA) e Groninghen Ziekenhuis (Holanda).

Informações assessoria de imprensa Clarice Saba: Murilo Bereta (71- 9160-2328) ou na Lume Comunicação – tel: 71-3341-8922 – Jornalista responsável: Cristina Barude Mtb 1284

Informações assessoria de imprensa Margareth Menezes: Maria Ísis (71 3237-0066 / 3018-0066) E-mail: [email protected]

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Publicidade

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: [email protected]