José Carlos Aleluia cobra transparência nas estatísticas da Secretaria de Segurança

“Deu chabu! A Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) não conseguiu atingir a tímida meta, estipulada por ela mesma, de 6% na redução do número de homicídios no ano passado em comparação a 2010. Considerou ‘uma grande conquista’ a queda de 5,5% na quantidade de assassinatos no estado, resultado que ficou longe dos 16% anunciados pelo secretário Maurício Barbosa em entrevista ao jornal A Tarde, no dia 17 de dezembro de 2011”, diz o presidente estadual do Democratas, José Carlos Aleluia.

O líder democrata desmascara a retórica que embalou a divulgação do balanço de atividades da SSP. “O número de homicídios em 2011, de acordo com os próprios dados da Secretaria, ainda é 24,5% maior do que o de 2007, primeiro ano de governo de Wagner, e superior a média de 4,5 mil assassinatos do primeiro mandato petista, enquanto, no governo de Paulo Souto, a média foi de 3.091. Nunca tantos baianos foram assassinados quanto agora na Era Jaques Wagner”.

Aleluia ainda aponta a falta de transparência dos dados divulgados pela SSP, principalmente com relação aos números do interior. “Desde janeiro de 2011 até as 15h30min desta quinta-feira, é impossível encontrar qualquer informação referente ao número de homicídios no interior do estado, nas estatísticas da Secretaria Estadual de Segurança Pública, divulgadas na internet”

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).