José Carlos Aleluia cobra conclusão da passarela de Pituaçu, em Salvador

jose-carlos-aleluia-cobra-conclusao-da-passarela-de-pituacu-em-salvador“Enquanto o governador Jaques Wagner passeia pelos ares de helicóptero, o Campeonato Baiano começou e a torcida do Bahia voltou a se expor ao perigo de atravessar a Avenida Paralela para ver o seu time jogar no Estádio de Pituaçu, porque a passarela continua inacabada”, reclama o presidente estadual do Democratas, José Carlos Aleluia.

Segundo Aleluia, com a cabeça nas nuvens, em seu helicóptero, Wagner só pensa em projetos faraônicos como a Ponte Salvador/Itaparica. “Por que ele iria se preocupar com uma passarela para oferecer segurança às pessoas e atenuar o congestionamento de carros na Avenida Paralela? Não é a realidade dele”.

O líder oposicionista lamenta que, nem a morte do torcedor Anderson dos Santos, atropelado ao tentar atravessar a Avenida Paralela para ver o Bahia, no final do ano passado, foi capaz de sensibilizar o governo petista a concluir as obras da passarela.

“No final do ano passado, logo depois do infortúnio do torcedor tricolor, nós acionamos o Ministério Público, que até agora não se manifestou sobre o problema. Se ficarmos a esperar a conclusão da passarela na velocidade em que trabalha o nosso governador voador, novas vítimas fatais surgirão”, alerta Aleluia.

Na representação feita pelo Democratas ao Ministério Público Estadual, é denunciada a má-execução e não conclusão das obras do entorno do estádio de Pituaçu, referentes à construção da passarela “Esquadrão de Aço”, a duplicação da Avenida Pinto de Aguiar e a Vila Olímpica.

De acordo com Aleluia, os gastos do governo foram bem maiores do que o previsto inicialmente para a reforma do estádio e não foram realizadas as obras essenciais à segurança e à comodidade do torcedor. “Sem falar que, com a demolição da Vila Olímpica da Fonte Nova, Salvador continua sem piscinas olímpicas para preparação de atletas e disputa de competições”, observa o líder oposicionista.

Aleluia não entende a justificativa apresentada pela Conder, principalmente, para a não conclusão da passarela de Pituaçu. “É subestimar muito a inteligência das pessoas, dizer que o atraso da passarela é conseqüência da complexidade da obra. O Palácio Thomé de Souza, sede da prefeitura de Salvador, também em estrutura metálica, foi montado em sete dias. O Ministério Público precisa investigar essa história mal contada”.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).