Operação Voucher: procurador da República pede suspensão dos direitos políticos de Colbert Martins e de mais 20 envolvidos no esquema de corrupção

Ações judiciais atingem Colbert Filho. MPF/AP ingressa com ações por improbidade que pedem a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública.

Ações judiciais atingem Colbert Filho. MPF/AP ingressa com ações por improbidade que pedem a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública.

O Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) entrou nesta semana com mais quatro ações na Justiça relativas à Operação Voucher. O esquema de desvio de dinheiro do Ministério do Turismo foi revelado em agosto e levou 36 pessoas à prisão, entre políticos, servidores e empresários.

As quatro ações de improbidade citam 21 pessoas ligadas ao esquema e pretendem obter o ressarcimento do dinheiro desviado, cerca de R$ 4 milhões. O MPF/AP também pede a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a proibição de contratar com a administração pública e de receber benefícios ou incentivos fiscais, e pagamento de multa.

As primeiras denúncias do Ministério Público chegaram à Justiça no dia 30 de agosto e se limitaram à responsabilizações na esfera penal. Nelas, as mesmas 21 pessoas são acusadas de peculato, formação de quadrilha, falsidade ideológica e uso de documento falso. As ações tramitam na 1ª Vara da Justiça Federal no Amapá.

Baixe reportagem do Jornal O Globo

Ex-funcionários do Turismo foram denunciados por roubar R$ 4 milhões

Saiba +

Faça uma Consulta Processual

Conheço outros processos

0004846-24.2011.4.01.31000005608-40.2011.4.01.3100,

0009983-84.2011.4.01.31000009984-69.2011.4.01.3100,

 0009985-54.2011.4.01.31000009986-39.2011.4.01.3100,

0008809-40.2011.4.01.3100

 Processo em que Cobert Filho configura como réu

COLBERT MARTINS DA SILVA FILHO (4)

Número novoNúmero antigoClasseDescrição da Classe
8809-40.2011.4.01.3100313PEDIDO DE PRISÃO PREVENTIVA
9184-41.2011.4.01.3100183CAUTELAR INOMINADA
9983-84.2011.4.01.3100287CRIMES DERESPONSABILIDADEDOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS
10661-02.2011.4.01.310064AÇÃO CIVIL DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Originada a partir de auditorias do Tribunal de Contas da União (TCU), a Operação Voucher resultou na prisão de 36 pessoas, entre servidores do ministério, empresários e representantes de entidades ligadas ao esquema no Amapá. As investigações preliminares da PF constataram irregularidades na execução de um convênio de R$ 4,4 milhões entre o Ministério do Turismo e o Ibrasi. A PF estima que ao menos dois terços dos recursos foram desviados pelo esquema de corrupção.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).