+ Manchetes >

Tropa de Elite: A política é bela | Por Emiliano José

Tropa de Elite 2 tem entusiasmado quem o assiste. Tem tudo para isso. É uma produção hollywoodiana, e aqui mais pelos méritos da adjetivação do que por qualquer tentativa de desqualificação. O trabalho dos atores é excepcional, com destaque para o extraordinário Wagner Moura, um dos maiores em ação no cinema nacional. A atuação dele é impecável, irretocável. O diretor José Padilha consegue manter a tensão do começo ao fim. Tem ação e emoção e sangue, sem que o sangue seja apelação. É uma tentativa, insista-se, tentativa, de revelar a realidade da violência do Rio de Janeiro e o envolvimento direto da polícia com o crime.

O narrador estrutura um discurso com começo, meio e fim – o narrador é o próprio coronel Nascimento, nosso Wagner Moura, e digo nosso porque baiano, e porque também, ao que sei, ex-estudante da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, onde dei aula durante tanto tempo. O discurso é uma espécie de fio condutor do filme, e que pretende, como discurso, levar o espectador a conclusões sobre o envolvimento direto da polícia corrupta com o crime, ela própria tornando-se o crime, assumindo o tráfico, e aqui trata-se de um mérito. Mas, também, à conclusão de que a política é que garante isso, e a política vista como uma atividade criminosa é posta de modo generalizante.

Não li o livro que dá base ao filme, e só falo do filme, portanto. E disso que quero tratar, nem que rapidamente. Da nítida pretensão do filme de desqualificar a política. Já li várias notas em jornais dando conta de que as platéias têm aplaudido muito o coronel Nascimento quando ele dá uma surra no secretário de Segurança, isso sendo interpretado como uma espécie de castigo a um político. O mocinho castiga o bandido, e os bandidos são os políticos. A cena final, o sobrevôo sobre Brasília, é ilustrativa de todo o discurso. E é literal. Como se o Congresso Nacional fosse responsável por isso. Como se a política fosse algo negativo, quase que a ser eliminada. Lembremo-nos do discurso da ditadura: a política não presta.

No discurso do coronel Nascimento há, também, uma espécie de frustração quando ao Bope. Há como que um recado: houvesse mais Bopes incorruptíveis, policiais bem treinados dispostos a matar corretamente, e a situação seria bem melhor. O que faltaria seria uma polícia toda Bopeana, e a segurança do País estaria garantida, desde que livre dos políticos.

Esta ideologia de segurança nós já vimos no que desemboca. Qual o Estado que resulta disso. Lamento dizer que o discurso do filme, suas conclusões são precárias. E que carrega uma visão profundamente autoritária. E que não se queira isentar a obra de arte do envolvimento político. O problema da segurança não vai se resolver com Bopes incorruptíveis, embora esses Bopes também sejam necessários, mas treinados mais para enfrentar situações excepcionais do que para se constituírem em solução para o grave problema de segurança. Os Bopes não podem simplesmente ser treinados para matar.

Sem política não há saída. Fora da política será sempre a barbárie. A segurança tem que ser tratada como um problema político. É a política que irá estruturar uma política de segurança que possa trazer paz ao País, e me parece que o próprio Rio de Janeiro, hoje, passo a passo, está enfrentando o problema de outra maneira, com as chamadas Unidades Pacificadoras.

O Pronasci, programa do governo Lula, um programa que nasce da vontade política, pensa a segurança de outra maneira, atacando as causas sociais da violência, e que vem avançando também no Rio de Janeiro, e só cito o Rio porque é o cenário do filme.

Claro que não há simplificação possível. Claro que a complexidade da segurança pública é enorme em todo o País. Querer, no entanto, fazer acreditar que a solução está fora da política, que estaria localizada numa impensável polícia honesta e incorruptível fora da política, como uma solução técnica, é um equívoco imperdoável, que o filme claramente transmite como mensagem.

Para fazer uma confrontação cinematográfica, e não dizerem que não falei de flores, para que não me acusem de panfletarismo, lembro de outro filme, também excepcional, Baaria, a Porta do Vento, cujo diretor, Giuseppe Tornatore, lança os olhos sobre uma pequena cidade italiana da Sicília, Baaria, que se debate com as injustiças, tendo de um lado os latifundiários e a máfia, e de outro, o então heróico Partido Comunista Italiano (PCI). Saí do filme fascinado, alertado pelo que os comunistas italianos tinham que enfrentar numa pequena localidade siciliana. Giuseppe Tornatore não tem nada de panfletário – é uma visão quase onírica, sem que deixe de ser política.

E lembro apenas um episódio, coisa que também já foi feita, na revista Istoé (13/10/2010), por Zeca Baleiro, que teve, neste caso, a mesma leitura que faço do filme, ao menos quanto à valorização da política, muito diferente de Tropa de Elite 2.

O pai do protagonista Peppino está à beira da morte, na cama, e espera ansiosamente o filho, então candidato pelo Partido Comunista. Todos estão em volta dele, todos esperam a chegada de Peppino, militante político, comunista. O irmão de Peppino diz ao pai próximo da morte que Peppino virá, que está envolvido com a candidatura pelo Partido, e o pai responde, com toda firmeza: “É, filho, a política é bela! A política é bela!” Peppino chega, abraça o pai, que só esperava por aquele abraço, o abraço da beleza da política, e morre. Em paz. Com a certeza de que a política era necessária à humanidade.

As transformações necessárias à humanidade e à sociedade brasileira não são poucas. São enormes os desafios que temos pela frente. Vivemos, no caso do Brasil, num País em que as mudanças se dão lentamente ou, ao menos, numa velocidade menor do que muitos de nós esperávamos. Mas, inegavelmente, o Brasil tem mudado, e não é pouco.

E só tem mudado não porque há gestores tecnicamente competentes, não porque há policiais incorruptíveis, e sem dúvida há tudo isso, mas porque, sobretudo nos últimos oito anos, uma nova política se estabeleceu no Brasil, e esta nova política olhou para o nosso povo de outra maneira, com olhos de querer ver, com olhos de carinho para com a nossa gente mais pobre, aquela que sofre de modo mais agudo, as consequências do abandono pelo Estado, do abandono pela política.

E a segurança é parte desse novo olhar. Mais do que armas, necessárias, mais do que policiais incorruptíveis, necessários, mais do que tudo isso, será preciso ir além, olhando para as causas mais profundas da violência, e isso só tem sido possível, só será possível pela política e no leito democrático. O outro caminho será sempre o do olho por olho, dente por dente. E isso sempre desembocou em ditadura. Que já está fora de moda, por mais que alguns, poucos, ainda sintam saudades.

A rigor, para além de nosso orgulho pela atuação de atores como Wagner Moura, não precisamos de tropas de elite. Precisamos que nosso povo tenha o que comer, tenha a possibilidade da fruição da cultura, tenha escola, tenha saúde, tenha lazer, tenha esportes, tenha liberdade, democracia, e que viva intensamente a política. Porque a política é bela.

*Por Emiliano José

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]