Mídia tem visão simplificada da Amazônia | Por Mauro Malin

Estudiosa da Amazônia, a professora de geografia política Bertha Becker diz em entrevista ao Observatório da Imprensa que a região é tratada na mídia de forma simplificadora, em duas vertentes. “A primeira, ainda bem marcante, é apresentar a Amazônia como região exótica. É a visão de fora, que enfatiza o desconhecido, bichos, pássaros, vegetação. Por que tratar a região como exótica? Ela é parte do Brasil. Os processos que nela se desenrolam são os mesmos que marcam a estrutura da sociedade brasileira, às vezes com ênfases e cores diferentes, mas como parte integrante dessa sociedade, ainda que territorialmente distante.”

“A segunda via de simplificação” ‒ critica a professora ‒, “iniciada há pouco tempo, se dá quando a mídia tenta se aproximar da realidade regional mas não capta sua complexidade. Quer informar, mas a abordagem é muitas vezes sensacionalista. A morte da missionária Dorothy Stang foi amplamente noticiada, como tinha que ser, mas não se sabe, por exemplo, quanta gente morre todo dia devido à violência nas estradas locais.”

Bertha Becker é professora emérita da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), aposentada mas ativa. Redigiu o capítulo sobre Amazônia do documento com as conclusões da 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, realizada em maio passado, que será publicado em dezembro. Ela mora no Rio de Janeiro, mas fez muitas viagens à região amazônica. Começou seus estudos no Sudeste do Brasil, chegou a Goiás e logo ao que é hoje Tocantins. Nos últimos anos, tem feito mais viagens à Amazônia Ocidental, partindo de Manaus e chegando ao Alto Rio Negro, na região conhecida como Cabeça do Cachorro.

População urbanizada

“A cobertura jornalística é difícil por causa da distância dos centros de comando do país, São Paulo, Brasília, Rio, e também pela extensão do território amazônico e pelas dificuldades de transporte. A Amazônia Legal, com pouco mais de 5 milhões de quilômetros quadrados, corresponde a 61% do território brasileiro” ‒ aponta a professora. “Basta dizer que ainda há tribos indígenas não contatadas. Mas não há lá somente índios e traficantes”, adverte.

“Um aspecto crucial, do qual poucos se dão conta, é que 70% de seus 20 milhões de habitantes vivem em cidades”, acrescenta Bertha. “A Grande Belém tem 2 milhões de habitantes, Manaus se aproxima de 2 milhões. Algumas capitais de outros dos estados da região ‒ Acre, Rondônia, Amapá ‒ estão na faixa de 300 mil a 500 mil habitantes e há varias cidades com população em torno de 200 mil habitantes.”

“Recentemente”, conta ela, “fui entrevistada por um repórter do Washington Post que se mostrou surpreso com a existência de um shopping center numa cidade como Vilhena, em Rondônia. Uma constatação como essa perturba completamente a imagem, que se formou no exterior, de uma região exótica.”

O maior banco genético do planeta

Outro desconhecimento, segundo a professora, é o do “fantástico potencial relacionado com os avanços da ciência. Nem os presidenciáveis deste ano pareciam saber que ela abriga, segundo muitos estudiosos, o maior banco genético do planeta, o que implica potencial para a produção de fármacos, fitoterápicos e cosméticos”.

Ela destaca também um dos atributos mais conhecidos da Amazônia, as águas, e o potencial de produção de energias limpas, como, por exemplo, a energia solar. A região amazônica tem um potencial que não é utilizado. A região, diz, “presta serviços ambientais; são coisas intangíveis, como a absorção, pela floresta, de gases de efeito estufa”.

Outra observação feita pela professora diz respeito à heterogeneidade da Amazônia:

“Há uma enorme diversidade interna. Na Zona Franca de Manaus, temos indústrias do século passado. Jazidas de ferro, petróleo e bauxita, matéria-prima do alumínio, são exploradas. Roraima tem um potencial fantástico de riquezas minerais. Por sinal, novos minerais estão sendo pesquisados. Infelizmente, as cadeias produtivas locais ‒ soja, milho, algodão ‒ são curtas, o que gera mais riqueza no exterior, para onde é exportada a matéria-prima. Há alguma produção de farelo de soja e um tanto de óleo que vai para São Paulo. E só. Para cúmulo dos cúmulos, não há uma cadeia de pesca organizada. No Rio Solimões, quem comanda, coordena e compra tudo, até a cidade de Tefé, no Amazonas, são colombianos, que revendem o pescado, historicamente o alimento básico da população.”

Cerrado

Outro elemento pouco conhecido e avaliado, diz Bertha, é o cerrado, bioma presente nos estados de Mato Grosso, Tocantins e Maranhão. “Mato Grosso tem uma produção enorme e algumas cidades são de primeiro mundo”, diz, “mas é uma riqueza altamente concentrada.” As cidades da floresta, porém, não são tão ricas. “O dinheiro que movimenta o comércio nos shopping centers é de gerentes e funcionários de firmas contratadas para grandes obras públicas”, explica.

A mídia, segundo Bertha, ainda não deu a devida importância ao fato de que a Amazônia é uma realidade sul-americana, “e não apenas devido às drogas”. Ela cita a Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA), em cujos marcos o BNDES financia estradas e hidrelétricas. “Para mencionar apenas um dos vizinhos do Brasil, já se pode ir por rodovia do Acre até Cuzco, no Peru”, afirma. “De fato, existe um grande eixo passando pelo Acre e Manaus, e um dos reflexos disso é um brutal desmatamento em curso no Peru.”

Falta um projeto de desenvolvimento regional

“O maior problema que merece a atenção da mídia”, resume Bertha, “é que não foi pensado um modelo para o desenvolvimento da região. A preocupação central do Estado, desde a colonização, é ocupar para defender o território, a fim de garantir a soberania, com alguma exploração dos recursos naturais. Nunca se pensou num processo de desenvolvimento regional. Getúlio Vargas fez a Marcha para o Oeste, um projeto de migração interna. Juscelino Kubitschek entrou com estradas, leia-se pecuária, e energia, leia-se transformação de matadouros em frigoríficos. A Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia) deu incentivos fiscais para grandes empresas. Os governos militares trataram de um planejamento estratégico de ocupação. Fizeram projetos de colonização com gente do Brasil inteiro. Pois bem, a região já está ocupada, com 20 milhões de pessoas. O que falta, e cabe à mídia apontar essa lacuna, é um projeto de desenvolvimento regional.”

*Por Mauro Malin

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]