+ Manchetes >

Em entrevista exclusiva, Walter Pinheiro descarta hipótese de virar ministro e atribui vitória ao diálogo com o povo baiano

Walter Pinheiro e o governador Jaques Wagner.

Walter Pinheiro e o governador Jaques Wagner.

Em 10 de outubro de 2010, o senador eleito pelo PT da Bahia, Walter de Freitas Pinheiro (Walter Pinheiro), concedeu entrevista exclusiva ao diretor e editor do Jornal Grande Bahia, Carlos Augusto, onde discorre sobre o processo eleitoral de 2010. A entrevista foi concedida em Feira de Santana, na residência de campo (Chácara da Luta), do deputado estadual petista, José Cerqueira de Santana Neto (Zé Neto).

Confira a entrevista 

JGB – Deixando de ocupar uma das últimas colocações na preferência eleitoral, o candidato ao senado Walter Pinheiro (PT), desponta como um dos mais votados. A quais fatores atribui a vitória?

Walter Pinheiro –  Diálogo como o povo da Bahia a quem agradeço o apoio, a Deus por estarmos nesta jornada. Estes são os fatores que fizeram com que o povo votasse maciçamente nos petistas. Também atribuo ao projeto elaborado por nós que contava com Dilma Rousseff, Jaques Wagner, Lídice da Mata, deputados estaduais e federais. Este foi o projeto que apontava o caminho da continuidade do que começou com Lula, a população entendeu e aceitou.

JGB – O senhor foi secretário do governo Wagner. O presidente Lula falou que Pinheiro teria um papel importante no novo marco de regulamentação das comunicações. Como o senhor avalia esse seu papel no Senado, tem pretensões de ter um mandato legislativo ou pretende partir para o executivo?

Walter Pinheiro –  Não há a menor hipótese de virar ministro. Vou trabalhar nas questões do marco regulatório, setor de infraestrutura e na captação de recursos e orçamento. Importante também observar que essa será a minha primeira experiência no Senado e quero contribuir com o governo de Dilma, de Wagner na implantação do trabalhode novas linhas de regulamentação do país, nos setores de telecomunicações, de energia, infraestrutura,  área de saúde e  na agricultura familiar. Na prática eu vou poder exercer o trabalho do acumulado histórico que tive na Câmara, além da minha passagem e experiência  no executivo.

JGB – O senhor disputou com Nelson Pelegrino a indicação como candidato a prefeito de Salvador. Pretende sair candidato, mais uma vez, daqui a dois anos ou o partido vai apoiar a candidatura de Pelegrino?

Walter Pinheiro – Sou Senador da República consequentemente tenho compromisso com minhas funções no Senado. O que o PT vai fazer em 2012, eu vou participar, na condição de filiado, das discussões na escolha do candidato feita pelo PT. Entretanto, antes de pensar em 2012 é preciso pensar em 2010 e 2011, essa é no momento a minha prioridade.

JGB –  No segundo turno das eleições a presidenciável Dilma Rousseff despontou como   em primeiro lugar. Como analisa o fato  de Dilma ter ido para o  segundo turno quando as pesquisas apontava a sua vitória no primeiro?

Walter Pinheiro – Dilma disputou uma eleição que tinha três candidaturas bastante competitivas e com dois quadros de referência e com experiência em eleições e mesmo assim, ela ganhou dos dois quadros com 47 milhões de votos, sem nunca ter disputado uma eleição em sua vida e foi para o segundo turno, vitoriosa no primeiro.

JGB – Qual será o papel do deputado Zé Neto durante o segundo mandato de Jaques Wagner?

Walter Pinheiro –  O fato de alguém ser mais votado não dá o direito de virar secretário. Eu fui o mais votado do PT no Brasil e não virei ministro. Não é essa a lógica. Foi importante que eu ficasse no parlamento e só fui para o governo da Bahia no momento em que o governador considerou  importante a minha convocação para enfrentar , naquele período, uma crise em que a minha experiência na área de orçamento permitiu ligar os interesse do Estado com os da União. Estes são componentes que fazem parte de um contexto onde você melhor opera nos quadros. Zé Neto vai poder dialogar isso com o governo  e com os partidos e alinhados. Considero que o deputado pode ser aproveitado em qualquer frente desde quando atenda os interesses do povo baiano.  

JGB – Qual a possibilidade do prefeito João Henrique (PMDB) firmar aliança com o PT?

Walter Pinheiro – Quem quiser se alinhar ao PT tem que aderir ao nosso projeto, nós não trabalhamos com cooptação de quadros políticos oferecendo cargos. O que nós apresentamos é uma proposta e quem quiser se somar a ela é bem-vindo. Não queremos fechar nenhuma porta, mas ela não está escancarada para que cada um venha e pongue.

Sobre Walter Pinheiro

Filiado ao PT da Bahia, Técnico em Telecomunicações, Pinheiro foi eleito para o mandato de 1º de fevereiro de 2011 a 31 de janeiro de 2019. Obtendo 3.630.944 dos votos, ou seja, 31% dos votos validos. Walter foi eleito por uma coligação de partidos composta por: PT, PRB, PP, PDT, PT, PSL, PHS, PSB, PC do B.

Mandatos:

Deputado Federal, 1997-1999, BA, PT. Dt. Posse: 02/01/1997; Deputado Federal, 1999-2003, BA, PT. Dt. Posse: 02/01/1999; Deputado Federal, 2003-2007, BA, PT. Dt. Posse: 01/02/2003; Deputado Federal, 2007-2011, BA, PT. Dt. Posse: 01/02/2007. Licenciou-se do mandato de Deputado Federal, na Legislatura 2007-2011, para assumir o cargo de Secretário de Estado, de 19 de março de 2009 a 5 de abril de 2010, assumindo, como Suplente, o Deputado Joseph Bandeira.

Walter Pinheiro foi eleito senador com 3.630.944 votos (31%), sendo o candidato mais votado em 2010. O mandato começa em fevereiro de 2011 e termina em fevereiro de 2019.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: [email protected]