Câmara de Vereadores de Feira de Santana debate ações da AAPC em Sessão Especial

A Câmara Municipal, ontem (04/11/2010), debateu, mediante Sessão Especial, as ações realizadas pela Associação de Apoio a Pessoa com Câncer em Feira de Santana (AAPC), atendendo ao requerimento nº 199/2010, de autoria do vereador Carlos Alberto Costa Rocha (Frei Cal). O evento foi conduzido pelo presidente da Casa Legislativa, vereador Antônio Carlos Passos Ataíde, que compôs a mesa juntamente com Augusto Mota, médico da Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (UNACON); Maria Betânia, presidente da AAPC; e Rafael Pinto Cordeiro, secretário Municipal de Saúde.

O vereador Frei Cal, após saudar os convidados, teceu elogios as entidades sem fins lucrativos, a exemplo da AAPC, que buscam, através do trabalho voluntário, o bem estar de todos e, acima de tudo, salvar vidas, apesar dos inúmeros entraves encontrados para manter as atividades sociais com êxito.

“Nós queremos desejar que a AAPC e tantas outras entidades existentes em Feira de Santana, sobretudo, voltadas para o âmbito da saúde, que elas tenham verdadeiramente o apoio necessário de toda a comunidade feirense, do Poder Executivo, do Poder Legislativo, enfim, de todas as pessoas, homens e mulheres de boa vontade que pensam no bem comum”, declarou o edil.

A presidente da AAPC informou que a entidade é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, fundada desde 2002, neste município. “Com apenas 8 anos, é uma instituição jovem que cresce a cada ano, atendendo e assistindo cada vez mais famílias em Feira de Santana e cidades circunvizinhas. Hoje, com quase 700 pacientes, essas pessoas buscam na AAPC acolhimento, apoio, conforto, esperança, orientação, fé e coragem”.

Conforme Maria Betânia, a missão da AAPC é prestar irrestrito apoio a pessoas portadoras de câncer e seus familiares, além de pregar e lutar pelo fortalecimento da Atenção Básica à Saúde, defendendo seus direitos e garantindo condições de atenção integral. “O paciente com câncer sofre com o sistema público de saúde, sofre com o atendimento precário, dispensado a eles durante o decorrer do seu tratamento e ainda com a falta de medicamentos e falta de leitos para o internamento, além de outras coisas mais”, protestou.

Enfatizando as diversas atividades realizadas pela AAPC, mediante projetos, ações preventivas e educativas, a presidente da entidade disse que “a AAPC acredita que ao tomar a espontaneidade da doação de tempo e amor em prol da vida consegue criar maiores possibilidades de recuperação para as pessoas portadoras de câncer”.

Na oportunidade, Maria Betânia fez alguns apelos aos órgãos competentes, dentre eles, mais doações de bolsas de colostomia e um espaço digno para receber essas bolsas; inclusão do Dia Nacional de Combate ao Câncer (27 de novembro) no calendário oficial do Município; inclusão do Outubro Cor de Rosa (o nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades) e o pagamento da verba de subvenção, referente ao ano de 2010.

O médico Augusto Mota, iniciou seu pronunciamento, alertando que, há alguns anos, o câncer é a doença que mais mata no Brasil. Segundo o palestrante, as ações integradas de combate ao câncer ainda não são feitas em nível nacional de maneira eficaz.

“O paciente com câncer não precisa só de cirurgia, nem de quimioterapia nem de radioterapia, ele precisa de assistência integral, ele e as pessoas que estão no seu em torno. Familiares, cuidadores, amigos, vizinhos sofrem igualmente com o diagnóstico. Há uma crise existencial. O câncer ainda hoje chega aos ouvidos dos pacientes, familiares e seus correlatos como uma sentença de morte, não se sabendo se é curável ou não”, observa o especialista.

De acordo com o médico, essa situação gera um “problema de ansiedade extrema, onde as demandas são muito altas. A tolerância é próxima do zero pra erros, equívocos, atrasos. Isso faz com que o cenário de um diagnóstico com câncer tenha necessidades muito especiais, que têm que ser vistas da maneira macro pra assistência integral ao paciente”.

Augusto Mota contextualizou sua explanação apresentando dados estatísticos da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Instituto Nacional de Câncer (INCA). Na sequência, ele ressaltou a importância da portaria 2.439/GM de 8 de dezembro de 2005, que institui a Política Nacional de Atenção Oncológica: promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento, reabilitação e cuidados paliativos, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Finalizando, o médico elogiou o trabalho da AAPC e falou sobre a UNACON, enfatizando, avanços, dificuldades, projetos e desafios.

Também participaram do debate o secretário Municipal de Saúde, Rafael Pinto Cordeiro, e os vereadores Roberto Tourinho e Ailton Araújo Rios. O evento contou ainda com a presença dos edis Justiniano França e Gerusa Sampaio, além de servidores das Secretarias Municipais de Saúde e Educação, representantes de associações e hospitais, pacientes da AAPC, assistentes sociais, profissionais de imprensa, entre outros.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]