Nova refinaria de petróleo começa a funcionar no Polo de Camaçari

Inauguração da unidade de refino de petróleo da Empresa DAX OIL.

Inauguração da unidade de refino de petróleo da Empresa DAX OIL.

Com uma produção de nafta, óleo combustível, óleo diesel e fluidos, que poderá ser usada na exploração do pré-sal, uma nova refinaria de petróleo entrou em operação nesta quinta-feira (07/10/2010), no Polo Industrial de Camaçari. A unidade pertence à empresa Dax-Oil e é a primeira implantada pela iniciativa privada na Bahia.

A refinaria vai trabalhar com o petróleo produzido em campos maduros explorados por pequenos produtores da Bahia, Sergipe e Espírito Santo. A capacidade é de processar 2,5 mil barris por dia e o empreendimento recebeu apoio do Governo do Estado por meio do Programa Desenvolve, que reduz o ICMS.

“Esse investimento atende a uma demanda antiga dos produtores independentes, que não tinham para quem vender sua produção e agora venderão para a Dax-Oil em Camaçari”, disse o chefe de gabinete da Secretaria Extraordinária da Indústria Naval e Portuária, Adary Oliveira, representante do Governo do Estado na cerimônia de inauguração da refinaria.

Segundo Oliveira, esse é um mercado que não interessa às grandes empresas petrolíferas, como a Petrobras, mas representativo para a economia local, já que reativa o setor de transportes e a indústria da exploração de campos independentes. “Essa nova refinaria vai atrair novos empresários e esperamos reativar poços na Bacia do Recôncavo e na Bacia de Tucano”.

Empregos

Quando estiver em plena operação, a unidade da Dax-Oil vai gerar 100 empregos diretos. Segundo o diretor da empresa, Carlos Carvalho, 90% dos funcionários são baianos. “Nesta fase serão 75 funcionários, mas, até o fim do primeiro trimestre de 2011, chegaremos a 100 trabalhadores”.

Na avaliação do presidente da Associação de Empresas Produtoras de Petróleo e Gás em Campos Marginais (Appom), Normando Paes, a chegada da Dax-Oil representa uma mudança completa no setor de pequena exploração de petróleo. Atualmente a Bahia tem 21 poços nessa categoria, com nove empresas atuando no mercado. “É uma grande oportunidade para os produtores de baixa capacidade, que exploram campos maduros e agora terão onde escoar a produção. Antes precisávamos vender para refinarias de São Paulo, que estão a dois mil quilômetros de distância. Isso inviabilizava a produção e os campos muitas vezes ficavam fechados”.

Campos maduros incrementam produção de petróleo

Quando um poço de petróleo é perfurado a pressão interna é suficiente para o início da exploração. A estimativa dos especialistas é de que, em média, até 20% do total da reserva chega ser retirado sem a necessidade de técnicas especiais e usando apenas a força que joga o petróleo pra fora do poço.

À medida que a exploração avança, a pressão interna diminui e não é mais suficiente para a retirada do petróleo. Nessa fase se torna necessário injetar água e outras substâncias para retomar a pressão e fazer o petróleo voltar a jorrar. Depois de anos de exploração o custo para manter a pressão e retirar o petróleo torna o poço inviável para a grande indústria petrolífera, mesmo que ainda reste uma quantidade de petróleo no subsolo. Esses são os chamados campos maduros.

Para viabilizar a extração de petróleo nestes campos, a exploração é transferida a pequenos produtores. Apesar de não terem o mesmo volume de produção da grande indústria, eles utilizam métodos mais simples e baratos, tornando a exploração de campos maduros viável economicamente.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]