Morte de Kirchner afeta estrutura da Unasul

Brasília – A morte do ex-presidente argentino Néstor Kirchner deixou em aberto o futuro político da Argentina e também afetou diretamente a estrutura da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), entidade que reúne os 12 países da região. Criada em 2004 e oficializada durante reunião em Brasília, em 2008, a Unasul permaneceu durante esses anos sob a presidência temporária do Equador, aguardando a definição do seu primeiro secretário-geral.

De acordo com o documento de criação da entidade, o secretário-geral seria o executivo que tomaria as primeiras providências para estruturar a Unasul, incluindo nesse trabalho um local para sua sede definitiva. No dia 4 de maio deste ano, Néstor Kirchner foi eleito para o cargo, por unanimidade, durante encontro em Buenos Aires que reuniu os presidentes de todos os países que integram a Unasul.

Na época, antes de declarar seu voto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a integração pretendida pela Unasul não se limita à teoria. “Acho que descobrimos que somente nossa organização pode garantir um novo rumo para a América do Sul e para a América Latina”, destacou. Segundo Lula, a eleição de Kirchner para a Secretaria-Geral da Unasul seria mais uma etapa para a consolidação do grupo. “O Kirchner tem experiência, conhece o continente e também as dificuldades políticas e ideológicas que existem aqui. Acho que ele está 100% apto a ser um extraordinário secretário-geral da Unasul”, destacou na ocasião.

Eleito para dirigir a entidade, Kirchner assumiu a secretaria-geral desacreditado por seus adversários políticos, que o acusaram de acumular cargos, mas trabalhar pouco em cada um deles. Quando assumiu, Kirchner já dirigia o Partido Justicialista e era deputado federal.

No dia 30 de setembro passado, Kirchner teve a primeira oportunidade de mostrar sua atuação na secretaria-geral da Unasul. Naquele dia, um grupo de militares e policiais civis do Equador, insatisfeitos com um decreto do governo do presidente Rafael Correa que reduzia benefícios salariais, iniciaram uma rebelião que gerou tumulto, apreensão regional e acusações de tentativa de golpe de Estado.

De forma ágil e contrariando as acusações de seus adversários, Kirchner assumiu por completo a figura de secretário-geral da Unasul e mobilizou os presidentes e ministros das Relações Exteriores da região, além de divulgar nota manifestando “absoluta solidariedade” do bloco regional ao presidente Correa, “após tentativa de sublevação da ordem constitucional do Equador”. A nota afirmava que a América do Sul não pode tolerar, sob nenhum pretexto, “que os governos eleitos democraticamente sejam pressionados e ameaçados por setores que não querem perder privilégios”.

Em seguida, convocou os chanceleres do bloco para reunião em Buenos Aires a fim de respaldar o apoio a Rafael Correa e para estudar medidas concretas que impeçam movimentos antidemocráticos na região. O resultado foi que a Unasul incluiu em seus documentos oficiais a possibilidade de bloqueio econômico a qualquer de seus integrantes que sinalizem desvio da ordem constitucional.

Com a morte de Kirchner, a Unasul volta ao ponto de partida e precisa eleger um novo secretário-geral. Por enquanto, a entidade permanece sob a presidência temporária de Cristina Kirchner. Dependerá dela os próximos passos referentes à sucessão no efetivo comando da Unasul.

*Com informações da Agência Brasil

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]