Fé e política | Por Juarez Duarte Bomfim

É lamentável que parte dos formadores de opinião avalie como uma onda conservadora o debate sobre valores.

A religiosidade do brasileiro foi alçada ao centro do segundo turno da campanha presidencial. E os dois candidatos a presidente — Dilma e Serra — buscam se comportar conforme o que acreditam ser a demanda do eleitorado — ou parte considerável do eleitorado, de convicção católica e evangélica.

Vigilante, um periódico da grande imprensa observou o comportamento dos candidatos em missas no Santuário de Nossa Senhora Aparecida. Segundo este jornal, Dilma não comungou e fez o “sinal da cruz” com retardo; já o candidato Serra comungou e participou atentamente da missa.

A imprensa que se intitula laica batiza a toda essa “interface” eleitoral entre religião e política como: “intenso cerco conservador”, “concessões ao lobby religioso” etc e considera isso grave.

Se erigindo em arautos da verdade, os cronistas de jornal consideram que discussões sobre ética e valores é apenas “conservadorismo religioso”.

Esses cronistas modernosos não levam em conta que sobre inúmeras questões, inclusive sobre o tema do aborto, o que move o cidadão brasileiro em sua maioria — segundo pesquisas — rejeitar a legalização, são questões de foro íntimo, ligados a uma ética e valores que, antes de serem religiosos, são convicções pessoais.

É lamentável que parte dos formadores de opinião avalie desta forma, isto é, como uma onda conservadora, o debate sobre valores. Arraigado em suas teses, consideram indiscutível, por exemplo, o direito ao aborto, que qualificam como um direito da mulher.

Do outro lado, os defensores da vida e não morte lembram os direitos do nascituro, que vem primeiro sobre qualquer cálculo egoísta de uma mulher que visa realizar cruel e irresponsável ato.

Tudo isso torna o debate um diálogo de surdos. Se existem riscos, são aqueles que alertou o fenômeno eleitoral Marina Silva: “precisamos ter a sabedoria de não importar conflitos religiosos que existem em outros países para o Brasil, onde temos cultura de respeito pela diferença e pela diversidade”.

Um pouco de respeito aos defensores da vida e não morte seria bom que observassem certos jornalistas da grande imprensa brasileira. Pois o que caracteriza um Estado democrático é o pluralismo e o respeito ao livre pensamento.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]