Adab acompanha abate bovinos em Feira de Santana como medida preventiva

A Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) acompanhou ontem (29/07/2010), em Feira de Santana, o abate inspecionado do primeiro lote de seis animais que ingeriram ração com proteína de base animal, da popularmente conhecida “cama de frango”. A medida preventiva, orientada pela legislação do Ministério da Agricultura e organismos internacionais, visa evitar a transmissão de doenças a outros animais e zelar pela segurança alimentar da população.

Outros dois lotes de animais aguardam o resultado de uma contra prova para detectar a presença da proteína animal. Em caso positivo, a Agência realizará o mesmo procedimento de abate.

“A Bahia foi a primeira Unidade da Federação a determinar, através da Portaria Estadual nº 441/2008, a proibição da cama de frango” salientou o diretor de defesa sanitária animal da Adab, Rui Leal, que junto ao médico veterinário José Neder, esteve presente no frigorífico Frifeira, garantindo a eficácia da ação, em todas as etapas do abate.

Médicos Veterinários da Adab continuam em campo, coletando amostras de alimentos para análise, a fim de verificar a utilização da cama de frango, com especial atenção nos períodos secos do ano, quando prática é mais acentuada para complementar a alimentação do gado.

Cama de frango – A prática se dá através da utilização de dejetos, penas e resíduos de ração acumulados nos pisos das granjas para alimentar o gado. Apesar de ser uma opção mais barata, a complementação alimentar dos bovinos com produtos e subprodutos cuja composição contenha proteína ou gordura de origem animal, pode transmitir a Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), mais conhecida como “Mal da Vaca Louca”, doença de importância econômica que afeta a saúde pública.

Para evitar que essa realidade mundial chegue ao Brasil e na Bahia, a Adab vem realizando um intenso trabalho de fiscalização nas propriedades e campanhas de esclarecimento junto aos produtores. Também foi proibida a importação de animais vindos de países com registro da EEB e, periodicamente, a Adab realiza fiscalizações no abate de bovinos, caprinos, ovelhas e bubalinos, além da realização de exames em animais com suspeita de doenças nervosas.

Ao ser constatado o uso de subprodutos animais na ração, os mesmos serão isolados e encaminhados ao abate em frigoríficos do Sistema de Inspeção Federal (SIF), com aproveitamento da carcaça e a retirada do material de risco. “Os pecuaristas da Bahia que insistam em alimentar o gado com subprodutos de aves e suínos podem ter seus animais sacrificados e destruídos na propriedade sem direito a indenização, tendo como base a Instrução Normativa nº 41, de outubro de 2009 do Ministério da Agricultura”, adverte o Médico Veterinário da Adab José Neder.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).