Seagri organiza missão para atrair investimentos para agropecuária baiana

Atrair investimentos e vender produtos da agropecuária baiana para os chineses. Esses são os objetivos da Missão à República Popular da China, liderada pela Secretaria da Agricultura DO Estado da Bahia. De 13 a 24 de maio de 2010, uma delegação baiana, formada por 20 representantes das cadeias produtivas do cacau e seus produtos, bioenergia, sisal, café, grãos (soja e milho), algodão,frutas (manga e uva) e pecuária, à convite do governo chinês, percorre as cidades de Pequim, Jinan, Shandong e Laiwu, onde serão realizadas reuniões e rodadas de negociações. Um dos encontros será com empresários da Pallas International Consultants, com a qual será assinado um protocolo de intenções. A empresa pretende adquirir áreas na região Oeste, para investir em bioenergia no município de Carinhanha. A missão baiana é liderada pelo secretário Eduardo Salles e pelo superintendente de Políticas do Agronegócio da Seagri, Jairo Vaz.

Participam da missão a Associação de Produtores de Cacau, APC; Instituto da Fruta; Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia, Aiba, entidade que congrega 95% dos produtores do Oeste baiano; Associação dos Produtores de Algodão da Bahia, Apaba; Fundação Bahia; Associação dos Frigoríficos da Bahia; Cooperativa Mista Agropecuária Conquistense, Coopmac, e Associação dos Produtores de Café da Bahia, Assocafé.

A agropecuária baiana é responsável por 24% do PIB baiano, e os segmentos representados nesta missão representam mais da metade deste percentual, segundo avalia o superintendente de Políticas do Agronegócio da Seagri. A missão representa uma oportunidade concreta de expansão da presença baiana no continente asiático, e conta com o apoio da Agência de Promoção à Exportação na China (APEX).

O secretário Eduardo Salles explica “vamos propiciar aos empresários encontros com diversos representantes do governo e de setores privados da China para ampliar o comércio, firmar acordos de cooperação e de novos investimentos”, afirma Salles.

Depoimentos

Henrique Almeida – Presidente da Associação de Produtores de Cacau

Começamos a pesquisar o mercado chinês já faz algum tempo, e não é a primeira vez que estou indo à China. Quando começamos a vender chocolate por lá, tivemos uma receptividade muito boa. Percebemos que o produto seria bem aceito e que poderíamos competir com o mercado europeu. Agora é hora de estreitar ainda mais a nossa relação com os empresários do país, fortalecendo o nosso mercado de exportação.

João Lopes Araujo – Presidente da Associação de Produtores de Café da Bahia -Assocafé

O café ainda é um produto consumido em volume muito pequeno na China. A nossa idéia é de estreitar o relacionamento com potenciais compradores e estimular a comercialização, abrindo canais para o café da Bahia passar a ser procurado.

Nilson dos Santos Cerqueira – Presidente da Associação de Frigoríficos da Bahia

Estou confiante com a ida à China. Estou indo no intuito de fazer negócios por lá. O preço que os chineses pagam pelos nossos produtos é compensador. Quero deixar de vender a terceiros e tratar diretamente com os empresários de lá. Já preparamos um catálogo de produtos que iremos apresentar a eles.

Edilson Ribeiro da Cruz – Vice-presidente da Associação de Frigoríficos da Bahia

O mercado chinês está crescendo rapidamente. A China ainda tem algumas restrições. A carne, por exemplo, só entra por Hong Kong, por causa do alto preço das tarifas. Acredito que a ida do governo baiano para lá vá ajudar a quebrar as barreiras tarifárias.

Alex Franco Bastos – Diretor executivo da Associação de Frigoríficos da Bahia

A China hoje já reconhece a Bahia como zona livre da aftosa, o que é muito positivo. Os nossos frigoríficos possuem grande potencial para exportar carnes e miúdos para esse país. E a expectativa é que consigamos exportar para todos os estados chineses. Ainda existem barreiras tarifárias naquele país. Com a missão China, espero que o governo baiano possa contribuir para a diminuição dessas barreiras. Assim, quem sabe, poderemos exportar ainda este ano.

Suemi Koshiyana – Instituto da Fruta

A China é um país importante. Já estabelecemos dois negócios com os empresários de lá e a nossa relação continua, seja com a importação de embalagens para acondicionar uvas e a exportação do fruto para a China. Para mim, que sou exportador de frutas do Vale do São Francisco, essa viagem será de extrema importância, pois irei conhecer novas oportunidades de negócios.

Amauri Stracci – Diretor Presidente da Fundação Bahia

Com a ida à China, espero estreitar o relacionamento com o empresariado chinês. Vamos mostrar que a Bahia está pronta para atender às demandas chinesas, que tem potencial e que a região Oeste possui seriedade, que a agricultura é tratada com responsabilidade. Desenvolvemos pesquisas na região há 12 anos para melhorar a qualidade de nossos produtos e temos tudo para crescer. Por isso, acredito que conseguiremos fortalecer parcerias.

Clóvis Ceolin – Associação de Produtores de Algodão da Bahia – Abapa

Fiquei entusiasmado com a Missão China pela importância desse país no mercado consumidor. Produtos como soja e algodão possuem grande valor para a economia local. A China é a maior economia do terceiro milênio e, portanto, será importante fazer contatos com os investidores de lá. A expectativa é gerar entendimentos comerciais do algodão, soja e, quem sabe, do milho.

Humberto Santa Cruz Filho – Prefeito do município de Luís Eduardo Magalhães

O município de Luís Eduardo Magalhães possui condições geográficas, de clima e solo favoráveis, e condições para exportar, por exemplo, mais soja para a China. Com a chegada da Ferrovia Oeste-Leste, a condição de logística estará mais favorável ainda. Dessa forma, os chineses poderão investir com segurança. Na visita à China, vamos conhecer como funciona o mercado para que sirva de parâmetro para a nossa região.

Jair Macedo – Diretor da Agrícola Canta Galo – Cacau e chocolate

Espero que haja uma boa receptividade do empresariado chinês. Se os chineses gostarem do nosso chocolate, quem ganha é o mercado baiano. Será uma parceria promissora para a nossa economia. Além de estabelecer bons contatos, vamos levar amostras do nosso chocolate para que eles possam conhecer e, quem sabe, fechar negócios.

Augusto Mascarenhas – Produtor Rural, diretor Copa Consultoria Empresarial S/S Ltda.

É a primeira vez que participo de uma missão como essa. Estamos falando de um país que cresce 11% ao ano, o que mais cresce em todo o mundo. Sem falar que a China se destaca como um grande consumidor de produtos. Acredito que vamos ampliar os nossos horizontes, a possibilidade de novos negócios. Conseqüentemente, vamos atrair mais investimentos para o Estado da Bahia.

Claudinor Dutra – Presidente da Cooperativa Mista Agropecuária Conquistense – Coopmac

A ida de uma comitiva da Bahia à China é extremamente oportuna nesse momento. Teremos condição de levar os nossos produtos para esse país. Temos que abrir caminhos não somente para a China, como para outros países, a exemplo da Índia e Rússia.

Sérgio Pitt – Vice-presidente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia – Aiba

A iniciativa de ir à China é fantástica. Temos excedentes de produção no Brasil e precisamos ampliar o nosso mercado consumidor. A China é um país que demanda muito alimento, além de algodão. Essa iniciativa do governo da Bahia de promover um intercâmbio com a China é louvável.

José Raimundo dos Santos – Sandias Corretoras de Commodities

A Bahia é um estado pujante na agropecuária, seja na exportação de soja e algodão, seja na importação de agroquímicos. Esse estreitamento de relação entre a Bahia e a China é muito oportuno, e abre espaço para a indústria de implementos agrícolas.

Almir Moraes Filho – Diretor da Captar Bussines

O mercado de consumo chinês está em expansão. Se a gente conseguir vender um bife para cada chinês, vai faltar proteína no mundo. Afinal, são 1,3 bilhão de chineses. A Bahia tem condição de produzir proteína animal para a China, que hoje importa, em sua grande maioria, miúdos. Com a ida ao país asiático, poderemos ainda atrair empresários chineses para investir aqui.

Antônio Barreto – Gerente de Novos Negócios da Comanche Clean Energy

Estamos muito satisfeitos por nos associar à Seagri na Missão a China. Somos produtores de energia renovável, principalmente biodiesel – Unidade em Simões Filho na Bahia, e etanol de cana-de-açúcar – duas unidades no Estado de São Paulo. Nossos produtos estão passando por um forte processo de internacionalização, o contato com empresários e o governo Chinês é fundamental para nós. É um orgulho representar a Bahia e o Brasil nessa empreitada.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]