Não podemos mudar as pessoas | Por Roque do Carmo Amorim Neto

Hoje deixei a aula de Psicologia do Desenvolvimento sentindo certa frustração. Este sentimento não apareceu apenas pelo fato de ao deixar a sala de aula ter percebido que o dia que havia começado ensolarado dera espaço a uma tempestade, com ventos fortes. O que me deixou decepcionado foi ter concluído que apesar de já ter ouvido tantas vezes que “não podemos mudar as pessoas” ainda insisto em fazer isto.

A última vez em que tentei mudar alguém foi na noite passada. Conheci Mark a pouco tempo e desde o primeiro momento em que conversamos em uma fila de aeroporto, ele se mostrou bastante sincero. Depois de algum tempo de conversa eu já sabia que ele havia recentemente se divorciado e que todo o processo de separação o havia ferido indizivelmente, e a ferida ainda doía.

Dias depois nos falamos por telefone e combinamos de jantar juntos. Nos primeiros minutos a conversa foi leve e comentamos sobre nossas atividades recentes. Todavia, ao mencionar os acertos que ainda precisava fazer no apartamento novo, ele falou de sua ex-esposa e contou-me sobre as discussões, o modo como ele deixou a casa e a tristeza por um casamento de apenas quatro anos ter terminado assim.

Durante os 50 minutos em que Mark partilhou sua vida, tentei fazer algumas perguntas para melhor entender a situação e também fiz o esforço para não assumir sua defesa imediatamente, pois o que eu estava conhecendo desta história era a versão dele. A ex-esposa dele certamente tem outra versão igualmente interessante.

Desde aquela noite decidi que daria um apoio emocional a Mark. Desde então nos falamos quase todos os dias. Na última vez que conversamos, interrompi o fluxo da conversa para fazer algumas sugestões: ir à academia, visitar mais os familiares etc. Quando terminei minha pequena lista de conselhos, ele ironicamente disse: “Sim, papai!”, e sorriu. Fiquei constrangido…

Hoje, durante a aula de Psicologia do Desenvolvimento, enquanto discutíamos porque é tão difícil para as pessoas mudarem atitudes e comportamentos, minha professora repetiu diversas vezes que não podemos mudar as pessoas. Ela também nos recordou que mudanças profundas demoram e que geralmente acontecem quando algo muito importante entra em jogo. Esta fala e mais a última conversa que tive com Mark me fez perceber minha tendência de direcionar as pessoas.

Agora, depois de mais uma vez ter conversado rapidamente com Mark, percebo que o que ele mais precisa no momento não são os meus conselhos ou dicas, apesar de toda minha boa intenção. Talvez o que ele simplesmente precise seja de alguém com quem se abrir e por quem possa se sentir apoiado a dar os passos necessários no caminho para si mesmo.

Não podemos mudar as pessoas, mas podemos apoiá-las para que assumam suas próprias mudanças, apesar dos embates que toda mudança criativa provoca. Afinal, o caminho que trilhei é diferente, pelo menos em significado, do caminho que você percorrerá.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]