Comunidade de Ilhéus trabalha para implantar uma fábrica de processamento de cacau

Paulo Gonçalves, diretor presidente da fábrica.

Paulo Gonçalves, diretor presidente da fábrica.

Itabuna, 11 de Maio de 2010- A primeira fábrica de processamento de cacau de origem do Brasil foi inaugurada na última sexta-feira (07/05/2010), em Bebedouro, no município de Linhares, no Espírito Santo. O estado é o terceiro maior produtor de cacau do Brasil, com 10 mil toneladas. Inicialmente, a Floresta do Rio Doce Agroderivados S/A vai produzir o líquor de cacau, matéria-prima para a fabricação do chocolate. Os empresários não descartam a possibilidade de instalar uma fábrica também na Bahia.

– “A partir do trabalho da Fazenda do Rio Doce nós vamos começar a ver a situação da Bahia em relação à logística e onde podemos encontrar o apoio dos produtores de cacau. Nós estamos estudando este projeto há dois anos e a probabilidade é que a fábrica seja instalada entre Ilhéus e Gandu”, disse o Diretor-Presidente da empresa, Paulo Roberto Gonçalves.

A fábrica de processamento de cacau de origem de Linhares contou com investimentos próprios de oito milhões de reais. Está construída em uma área de 1.250 metros quadrados. Na primeira etapa do empreendimento serão gerados 32 empregos diretos e cerca de 1.200 indiretos.

– “São dividendos importantes para a arrecadação do Espírito Santo. São empregos gerados e a garantia dos produtores de que seu produto e sua colheita terão um mercado seguro não só em nível de Brasil, mas também no exterior”, disse a deputada federal (PSDB), Rita Camata.

– “Essa indústria vai dar competitividade a nossa cadeia do cacau. Com essa indústria nosso cacau não vai ter que viajar cerca de 700 km para ser processado em forma de líquor e voltar para nossas indústrias. Enfim, esse empreendimento vai definitivamente consolidar a cadeia produtiva do cacau no Espírito Santo, disse o Secretário de Agricultura do Espírito Santo, Enio Bergoli.

Com processo e tecnologia desenvolvidos no próprio estado, o objetivo da fábrica é o de valorizar as qualidades sensoriais do chocolate e tornar o Espírito Santo referência em qualidade da matéria-prima para as indústrias de chocolate. A unidade terá capacidade de moagem de 2.500 toneladas por ano e vai processar o fruto plantado na própria região.

-“Esse processamento tem o objetivo de preservar toda a carga aromática e as qualidades organolépticas do cacau e com isso vai haver uma valorização da nossa região e do nosso cacau”, disse um dos sócios da fábrica, Luciano França de Oliveira.

-“No Brasil, 40% do nosso consumo é importado e nós temos uma qualidade muito boa do cacau. Esse empreendimento, que vai valorizar o cacau de origem, vem atender ao anseio da população que está disposta a pagar um pouco mais pela qualidade”, disse Rommel Barion, da Abica- Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Balas e Derivados.

Do total produzido pela fábrica, 1/3 será destinado à exportação para a Bélgica. O restante vai ser comercializado no mercado interno. O Primeiro cliente da fábrica é a empresa Cacau Show, que deve produzir barras de chocolate de 100g com cacau de origem do Espírito Santo.

– “Nós temos um papel importante de difundir a cultura do cacau, por isso que apoiamos esta iniciativa e que somos o primeiro cliente dessa empresa”, disse o empresário Alexandre Costa.

O Presidente do Conselho de Administração do Grupo Belga Belcolade, Puratos e Patisfrance, Eddie Van Belle, participou da inauguração da fabrica e disse que visitou diferentes fábricas de chocolate no mundo e ficou surpreso com a variedade de cacau e que “esta indústria faz parte de um projeto fantástico que vai atender a exigência do mercado consumidor que é a de conhecer a origem do produto que está comprando”, falou Belle.

A previsão é que no segundo semestre deste ano será inaugurada a segunda etapa do empreendimento, com a produção também de manteiga e o pó de cacau. Com isso, a capacidade de produção vai ser elevada para 5 mil toneladas/ano e, até 2012, 7,5 mil toneladas.

No final da cerimônia, foram plantadas três mudas clonais de cacau. A espécie é recomendada pelo programa de ‘Renovação da Lavoura Cacaueira’.

– “O Espírito Santo é diferente da Bahia. Aqui nós não temos ninguém inadimplente. Todos os agentes financeiros estão disponíveis a financiar. Nós também temos tecnologia e material genético”, disse o Superintendente da CEPLAC no Espírito Santo, Paulo Siqueira

– “Iniciativas desta natureza só tem a enaltecer a figura do produtor que vai produzir amêndoas e agregar valores a essa amêndoa que ele produz em campo”, disse o Coordenador-Geral de Apoio Operacional da CEPLAC, Edmir Ferraz.

O governador do espírito santo, Paulo Hartung, propôs o aumento da área plantada de cacau no estado. Ele disse também que com o preço do produto em alta, o momento é de melhorar a qualidade das lavouras “porque você não renova lavoura no momento de preço baixo. Isso é histórico. E nós queremos ser parceiros dos produtores rurais. Nós queremos melhorar a qualidade e a produtividade das nossas lavouras de cacau. O governo do Estado é parceiro”, concluiu Hartung.

Linhares tem 22 mil hectares plantados com cacau. O município é responsável hoje por 90% da produção do espírito santo, mas os números tendem a crescer. De acordo com a secretaria de agricultura do Espírito Santo, a estimativa é que em 2010 a produção de cacau seja de aproximadamente 13 mil toneladas.

Assista ao vídeo:

http://www.mercadodocacau.com.br/index.php?menu=videos&id=62&tipo=3

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]