São Paulo celebra 180 anos da imigração alemã

Imigrantes alemães contribuíram para o desenvolvimento do estado em setores tão diversos como a indústria, o esporte, a arquitetura e a educação. Exposição relembra a trajetória dos pioneiros.

A imigração alemã em São Paulo não costuma ser tão badalada quanto a de italianos e japoneses. Entretanto, os alemães estão entre os imigrantes pioneiros. Em 2009, celebram-se oficialmente os 180 anos da imigração alemã no estado.

Os festejos têm início neste domingo, 21 de junho, com a estreia da exposição “Viagem por uma São Paulo alemã: do primeiro assentamento a 1930”, que até dezembro poderá ser vista em diferentes endereços.

A data oficial para o aniversário e o local inicial da exposição têm como referência o primeiro assentamento de colonos alemães, em 29 de junho de 1829. Porém, antes da chegada destes, vários outros conterrâneos já haviam escolhido São Paulo para viver.

Pioneiros

Ao contrário daqueles que vieram nos primeiros anos do Brasil independente, atraídos pela promessa de receberem terras e colonizarem o estado, os verdadeiros pioneiros chegaram por conta própria.

Alguns assumiram funções de responsabilidade. É o caso, por exemplo, de Daniel Pedro Müller, chegado em 1802. Com formação militar obtida em Lisboa, colaborou com as autoridades locais, integrou o corpo de engenheiros realizando várias obras e chefiou uma fábrica de reparo de armas, à frente de uma equipe de oito mestres alemães.

Johann Carl August von Oeynhausen-Graveburg, por sua vez, assumiu o governo da capitania-geral de São Paulo em 1819 e introduziu a vacinação contra a varíola, sendo destituído pelo príncipe regente dom Pedro poucos meses antes da independência do Brasil.

Após a independência e à medida que a escravidão perdia terreno, o Brasil passou a recrutar imigrantes no exterior para formar forças militares sem portugueses, colonizar seu território e incentivar a produção agrícola e manufatureira. Os alemães tiveram prioridade nesta fase, graças aos elos culturais da imperatriz Leopoldina, esposa de dom Pedro I e nascida na Áustria.

O primeiro grupo de recrutados a desembarcar em Santos, no fim de 1827, era composto por 226 colonos. Um ano depois, cerca de 1.000 aguardavam em Santo Amaro pelo assentamento nas prometidas terras.

A imigração continua

A coordenadora do arquivo e da biblioteca do Instituto Martius Staden, Daniela Rothfuss adverte: “É preciso ter muito cuidado com números, pois a documentação é rara. Ela inexiste em São Paulo e Itapecerica, por exemplo. Somente a partir do centenário da imigração surgiu interesse em pesquisar, documentar e preservar a história.”

Os documentos mais antigos costumam ser registros de casamento em cartórios, pois a maioria dos alemães imigrantes era de religião luterana e não podia casar nas igrejas católicas, únicas na região.

Na década de 1830, o fluxo de imigrantes prosseguiu. Centenas seguiram direto para a Real Fábrica de Ferro de Ipanema, na região de Sorocaba, a primeira siderúrgica do Brasil. A maior parte desistiu do trabalho árduo e migrou para São Paulo.

Fenômeno similar ocorreu a partir dos anos 1840 com aqueles recrutados na Alemanha para trabalhar nos cafezais de Campinas, Limeira, Piracicaba e outras regiões do interior. Devido às más condições de vida no campo e à deslealdade dos fazendeiros no sistema de parceria, vários alemães trocaram o campo pela cidade.

As denúncias de maus tratos e não-cumprimento de promessas interromperam a imigração organizada, por decreto do governo da Prússia. Na década de 1850, mais de 2.100 alemães e suíços trabalhavam em 34 fazendas paulistas.

Pólo industrial alemão

Nova onda migratória teve início depois de 1880, atingindo seu auge após a Primeira Guerra Mundial. Desta vez, porém, sem apoio institucional e direto para a cidade de São Paulo, a fim de exercer suas profissões.

Rothfuss mais uma vez ressalta ser impossível quantificar o número de imigrantes. “Pelos dados daqueles que passaram pela hospedaria, hoje Museu dos Imigrantes, parece que foram poucos. Mas muitos vieram com dinheiro no bolso, foram para hotéis e investiram em negócios próprios”, conta a historiadora.

Depois da Segunda Guerra, o fluxo de imigrantes foi substituído pelo fluxo de capital. Com a abertura de subsidiárias de empresas alemãs em São Paulo, muitos executivos e profissionais especializados também mudaram-se da Alemanha para a metrópole paulista. O ritmo dos investimentos foi tão acelerado que transformou o estado paulista no maior pólo da indústria alemã fora da Alemanha.

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha e da Evonik Degussa Brasil, Weber Porto, observa que esse status é fruto dos primeiros passos dados em 1827. No mesmo ano do desembarque dos primeiros colonos em Santos, Brasil e Alemanha firmaram tratados comerciais e a troca comercial entre os dois países intensificou-se.

*Com informação de Marcio Weichert

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]