O governador Jaques Wagner em diálogo com o Ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, confirmou interesse da Bahia em usina nuclear

A geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wagner. Foto: Manu Dias | AGECOM | JFH

A geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wagner.
Foto: Manu Dias | AGECOM | JFH

O governador Jaques Wagner reafirmou hoje (11/02/2010), em audiências com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, o interesse do governo baiano em habilitar-se para instalação, em seu território, de uma central nuclear geradora de energia elétrica. O governador também almoçou no palácio da Alvorada com o presidente Lula onde discutiu o assunto.

Lula receberá em dois meses os estudos sobre a viabilidade de instalação da usina e só depois decidirá qual estado será contemplado com o investimento calculado entre U$10 a U$ 13 bilhões, através de leilão. O presidente está aguardando os estudos e vai ouvir ministros e setores competentes no assunto.

“A oferta de energia elétrica sempre é fator necessário à expansão do desenvolvimento baiano. O potencial hidráulico está bastante explorado, restando poucas opções para instalação de usinas hidrelétricas de grande porte. Portanto, a geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wagner. Segundo ele, a obra é considerada estruturante, pois gera emprego e renda.

O ministro Edson Lobão informou ao governador que vários estados nordestinos também são candidatos a construir a central nuclear e que o governo federal deseja uma confluência entre tais interesses. Wagner sugeriu estudos sobre a possibilidade do projeto de construção da central nuclear ser realizado na fronteira entre os estados, embora ache difícil tal solução.

Entre algumas das exigências para a construção da central nuclear geradora de energia elétrica estão: que o local a ser escolhido para a construção seja próximo de fonte fria (disponibilidade de água de rio ou de mar), ser perto de linhas de transmissão, e a qualidade do terreno – que não pode ser poroso.

Ao mesmo tempo, o ministro Lobão disse ao governador que nos próximos 20 anos o Brasil vai ter que dobrar sua oferta de energia elétrica para garantir o crescimento sustentável da economia e as usinas nucleares serão importantes para garantir a oferta de eletricidade.

Um ponto positivo para a Bahia é a existência do Distrito Uranífero de Lagoa Real localizado a cerca de 20 km a nordeste de Caetité.

Durante o almoço com o presidente Lula, o governador Jaques Wagner conversou sobre o projeto da Ponte ligando Salvador a Itaparica. E aproveitou para destacar importantes projetos do governo baiano, como a ferrovia Oeste-Leste, cuja primeira etapa, Ilhéus-Caetité, já está com recursos garantidos no orçamento da União.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).