Presidente Lula: Sofri muito preconceito por ser pobre e nordestino

Lula: A gente não vai vencer o preconceito lamentando, mas enfrentando, discutindo, debatendo, seja no local de trabalho, na igreja, no clube. Um homem ou uma mulher não pode ser medido pela cor, mas pelo caráter.

Lula: A gente não vai vencer o preconceito lamentando, mas enfrentando, discutindo, debatendo, seja no local de trabalho, na igreja, no clube. Um homem ou uma mulher não pode ser medido pela cor, mas pelo caráter.

Apesar da prática do racismo ser crime inafiançável, no Brasil isso não funciona. Para inverter essa situação é necessário maior consciência por parte da população. Assim destacou o presidente Lula em discurso na Praça Castro Alves em evento comemorativo ao Dia Nacional da Consciência Negra. Lula disse que não foi vítima de racismo: Mas sofri muito preconceito por ser pobre e nordestino.

Lula, que entregou 30 títulos de posse de terra para integrantes de comunidades quilombolas, informou que o INCRA tem 1,4 mil comunidades na fila para serem beneficiadas. Por isso, ele pregou que em 2010 possa comemorar a data — que será feriado nacional — numa praia na Bahia em que marcará a entrega de 200 ou 400 títulos de propriedades aos quilombolas.

Ele enfatizou que às vezes o cidadão “pratica o racismo de forma muito sutil, muito subjectiva. que as vezes parece não ser racismo, mas é racismo”, disse. O presidente lembrou que são minorias chefes de seção de fábricas negros ou gerentes de bancos negros, por exemplo. “Já sofri muito preconceito por ser pobre e nordestino. E acho que ainda tem preconceito. Mas hoje não dou mais bola porque venci os preconceituosos e virei presidente da República desse País. A gente não vai vencer o preconceito lamentando, mas enfrentando, discutindo, debatendo, seja no local de trabalho, na igreja, no clube. Um homem ou uma mulher não pode ser medido pela cor, mas pelo caráter”, afirmou.

O presidente condenou a violência contra o negro e explicou que durante o seu governo tem atuado para assegurar as cotas para os estudantes negros. Disse também que o PROUNI, muito criticado pela mídia, permite que universitários negros tenham condições de pagarem os estudos e, como resultado, o País terá mais profissionais negros como médicos, dentistas, etc e tal. Ao concluir, Lula citou a participação do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, um símbolo de resistência pela paz no Oriente Médio.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]hia.com.br