O Dia Seguinte… 120 anos depois!

> Lei nº 3.353, de 13 de Maio de 1888. DECLARA EXTINTA A ESCRAVIDÃO NO BRASIL A PRINCESA IMPERIAL Regente, em Nome de Sua Majestade o Imperador o Senhor D. Pedro II, Faz saber a todos os súditos do IMPÉRIO que a Assembléia Geral Decretou e Ela sancionou a Lei Seguinte: Art. 1º – É declarada extinta desde a data desta Lei a escravidão no Brasil. Art. 2º – Fica instituído o Estatuto da Igualdade Racial destinado à efetivação da igualdade de oportunidades e condições aos afro-brasileiros e à defesa dos direitos étnico-raciais individuais, coletivos e difusos e ao combate à discriminação e demais formas de intolerância étnica e racial. Art. 3o – Revogam-se as disposições em contrário.

> Caso o Congresso Nacional aprove o Projeto do Estatuto da Igualdade Racial, neste ano teremos o complemento de uma legislação de um outro evento tardio que foi a abolição da escravidão de negros africanos e seus descendentes no Brasil. Os programas e ações previstos no documento poderiam, facilmente, dada as suas limitações político/legais, ter sido apresentados como uma alteração aditiva global à Lei 3.353 – Lei Àurea assinada pela Princesa Izabel em 13 de maio de 1888, devendo os artigos da Lei 3.198/2000 de autoria do ex-deputado e hoje Senador Paulo Paim PT-RS, serem acoplados à Lei mencionada. Talvez, com isso, o dia seguinte à abolição não teria sido tão ultrajante aos milhões de negros e negras que ainda vivem em estado de exclusão no Brasil.

> A única lei que pôs fim, formalmente ao modelo escravocrata em nosso país, não impediu a formação de uma outra escravidão ainda mais trágica e mais perversa. A ausência de uma política de estado que evitasse a discriminação, a exclusão, o desemprego, a fome e a violência impôs desastrosas conseqüências a milhões de negros e negras – suas tradições e visões de mundo – sob o manto velado do racismo e do preconceito. Vide as palavras com que, recentemente, o médico Antonio Dantas nos brindou sobre o que pensa da inteligência dos baianos.

> Neste momento, além da ação parlamentar, é a hora de gerar uma grande pressão da sociedade civil brasileira, rumo à Igualdade Racial. O texto em questão está em discussão através de uma comissão especial composta para discutir o projeto, para, depois, ser apreciado pelo Plenário da Câmara dos Deputados e do Senado.

> Nenhum outro país do mundo possuirá, caso o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancione o inteiro teor deste projeto, um instrumento legal que contenha em sua própria estrutura uma política global de estado que vise a erradicação do racismo e a promoção da igualdade racial. Nas próximas reuniões das Nações Unidas, o nosso presidente poderá levantar uma forte bandeira: de que o caminho do desenvolvimento e da paz social se dá pelo reconhecimento da diferença e da garantia da igualdade de oportunidades e condições.

> Muitos criticarão estas medidas, como inócuas ou restritivas, ineficazes ou tímidas, mas poucos discordarão que esta peça legal impõe soluções tão grandiosas e reais. Por isso, sabemos que estatuir políticas públicas e ações discriminatórias positivas em beneficio dos afro-brasileiros parte do reconhecimento do Estado brasileiro de que fomos, e somos, um país que beneficiou-se da escravidão e do racismo para a formação da riqueza e do modelo societário, somando a isso os altos índices de desigualdade e exclusão que reportam majoritariamente aos afro-brasileiros e indígenas.

> Esta garantia, fundamentada no princípio da igualdade plena e substancial, propõe que o Estado deve amparar direitos e oportunidades àqueles que, histórica e socialmente, tenham sido vítimas, por ocasião da colonização e da escravidão, de práticas preconceituosas, discriminatórias e racistas e, consequentemente, excluídos do processo produtivo, da inserção social e do exercício dos direitos da cidadania. O Estatuto deve expressar esta ação afirmativa compensatória global, sustentada no princípio positivo da aplicação da equidade legal – “tratar desigualmente os desiguais”.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]