+ Manchetes >

Viúva de David Capistrano recebe primeira indenização dada a jornalistas perseguidos

Rio de Janeiro – A indenização concedida hoje (04/04/2008) pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça à viúva do jornalista David Capistrano foi a primeira de um processo que inclui 20 jornalistas perseguidos no período de 1946 a 1988 e está sendo julgado nesta tarde na Associação Brasileira de Imprensa. É a primeira apreciação julgada fora de Brasília e marca o lançamento da Caravana da Anistia no Rio de Janeiro.

A caravana tem o objetivo de reparar economicamente as vítimas de perseguições políticas e também de difundir conhecimentos históricos, despertando na sociedade a discussão sobre o período ditatorial e as suas graves conseqüências sobre o regime democrático do país.

Na homenagem a David Capistrano, militante comunista que desapareceu em 1974, entre as cidades de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, e São Paulo, o passado do jornalista foi lembrado com uma série de fotos. O jornalista pernambucano chegou a dirigir os periódicos Folha do Povo e a A Hora, no seu estado de origem. Após o golpe militar, passou a viver clandestinamente no Brasil e se asilou na antiga Checoslováquia .

“Devemos manter viva a chama do ideal de todos aqueles que morreram pelo Brasil”, disse Maria Augusta de Oliveira, viúva do jornalista. Maria Augusta, que tem quase 90 anos, vai receber uma indenização mensal de R$ 3.444, retroativa a dezembro de 2001.

Também foi homenageado o jornalista Vladimir Herzog, morto em 1975 por agentes do DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações-Centro de Operações de Defesa Interna), órgão repressivo durante o regime militar.

Na solenidade, o filho de Herzog, Ivo, tentou imaginar como estaria hoje o pai, que foi assassinado aos 38 anos. “Muitas vezes passa pelo meu pensamento: o que meu pai estaria fazendo se ainda estivesse entre nós? Seria ministro? Diretor de jornal? Talvez um grande cineasta. Estaria com dengue? Só sei que seriam duas coisas: meu pai e um homem externando suas indignações contra o que ferisse seus princípios, sua ética”, disse Ivo Herzog.

Segundo o ministro da Justiça, Tarso Genro, além de conceder indenização às vítimas de perseguições políticas, a comissão serve para “transformar a anistia também em um projeto pedagógico, de edificação democrática, para que os brasileiros conheçam e não se esqueçam do seu passado”.

A Comissão de Anistia, criada em 2001, analisa os pedidos de indenizações formuladas por pessoas que julgam ter sido impedidas de exercer atividades profissionais ou econômicas por motivação exclusivamente políticas entre 1946 e 1988. Desde então, já foram julgados mais de 37,2 mil requerimentos, de um total de 60 mil.

Segundo a comissão, a meta é zerar a pauta até 2010. A média das indenizações em parcelas mensais é de R$ 3,7 mil, e a prestação única tem ficado em torno de R$ 56 mil.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]