Governo investe na recuperação do Paço Municipal, para abandoná-lo em seguida

O prédio da Prefeitura de Feira de Santana voltou a ter a imponência de há 81 anos, quando foi inaugurado. Em 1926, os feirenses foram às ruas para comemorar a inauguração. Em 27 de dezembro de 2007, eles voltaram a ocupar as avenidas Senhor dos Passos e Getúlio Vargas para festejar a mais profunda restauração do Paço Municipal Maria Quitéria, nome oficial do prédio, em oito décadas.

As 64 portas e janelas do prédio, que adotou vários estilos arquitetônicos. Os recursos aplicados na restauração foram próprios do Tesouro Municipal. Tudo, em todos os ambientes, voltou ao que era antes – isto em termos arquitetônicos. Toda imponência do octogenário prédio foi recuperada. Importante esclarecer que todas as intervenções foram feitas com aval do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac).

Entretanto,até o presente momento, parece que o chefe do executivo feirense,José Ronaldo, foi o único que não tomou consciência da importância do ato e nem do dinheiro do povo ali utilizado. Após três meses de sua inauguração o Paço Municipal continua fechado e sem receber qualquer tipo de manutenção, o que contribui para acelerar o grau de deterioração do prédio.

A sede da prefeitura inexplicavelmente, continua ocupando de forma interina um prédio do governo estadual. A pergunta que não quer calar é a seguinte: se o prefeito não se dispõe a ocupar aquele precioso espaço físico, o que justifica ter empregado tanto tempo e dinheiro do erário para a sua restauração? Pelo visto, a recuperação física do prédio público só teve uma finalidade, servir como mais um item no currículo de obras maquiadas do prefeito.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).