Chico Pinto: luta política e coragem|Por Fernando de Fabinho

Francisco José Pinto dos Santos (Feira de Santana, 16 de abril de 1930 — Salvador, 19 de fevereiro de 2008) foi um advogado e político brasileiro que exerceu quatro mandatos de deputado federal pela Bahia e se destacou como integrante do “grupo autêntico” do Movimento Democrático Brasileiro que pregava uma oposição mais contundente ao Regime Militar de 1964 em contraposição à postura comedida do “grupo moderado”. Era conhecido também pelo epíteto de Chico Pinto.

Francisco José Pinto dos Santos (Feira de Santana, 16 de abril de 1930 — Salvador, 19 de fevereiro de 2008) foi um advogado e político brasileiro que exerceu quatro mandatos de deputado federal pela Bahia e se destacou como integrante do “grupo autêntico” do Movimento Democrático Brasileiro que pregava uma oposição mais contundente ao Regime Militar de 1964 em contraposição à postura comedida do “grupo moderado”. Era conhecido também pelo epíteto de Chico Pinto.

A Bahia é grata, eternamente, ao político, ao cidadão, ao democrata e ao parlamentar combatente e ex-prefeito de Feira de Santana, Francisco Pinto, que, no auge da ditadura militar, apesar de combatê-la, teve a sabedoria de abrir diálogo com os donos do poder para que o povo brasileiro vislumbrasse o início da abertura política e com isso dar tempo para que o processo democrático se fortalecesse para que o regime militar desse espaço para aqueles que não tinham voz política, pois perseguidos que eram pelo chamado regime de exceção, que tanto prejudicou as liberdades e os direitos civis dos cidadãos brasileiros.

Internado no Hospital San Raphael, em Salvador, Chico Pinto continua a lutar, agora por sua vida, mas sem nunca esquecer que seu passado político é uma lição de vida para os democratas bem como para aqueles que ainda não consideram a democracia a forma política e social mais perfeita que o homem pôde colocar em prática, para viver melhor e em paz. Homem de esquerda, quando ser de esquerda no Brasil e não América Latina era muito perigoso, Chico Pinto nunca esmoreceu quando das adversidades e por isso se tornou um dos políticos mais respeitados deste País, inclusive pelos governos militares.

Integrante do Grupo Autêntico do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), Chico Pinto, juntamente com Marcos Freire, Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Pedro Simon, Fernando Lyra, Cristina Tavares, Hélio Duque, dentre outros, percebeu que poderia negociar com os militares nacionalistas a distensão política e a partir daí fazer com que as Forças Armadas começassem a debater, dentro dos quartéis, a situação do País, que há muito tempo vivia sob um regime de força, que perseguia, demitia, cassava, exilava e até matava.

O próprio Chico Pinto foi vítima desse processo cruel, quando prefeito de Feira de Santana, em 1964, foi cassado. Portanto, este valoroso político sabia o que estava a fazer e, conseqüentemente, no decorrer da década de 1970, passou a liderar o processo político que permitisse a abertura do regime militar, que tirou as liberdades civis dos brasileiros. Em 1970, o político baiano foi eleito deputado federal e passou a aglutinar os parlametares do Grupo Antêntico. Este fato estabeleceu limites entre a oposição e o Governo, com a finalidade de, pela primeira vez, os militares ouvirem a oposição sem, no entanto, reprimi-la, ao ponto de ela não poder colocar suas reivindicações na mesa de negociação política.

No ano de 1974, Chico Pinto discursou contra a presença do general chileno Augusto Pinochet no Brasil. Sua atitude o levou à cassação. O político perdeu mandato, mas apostou na anticandidatura à Presidência da República de Ulysses Guimarães e Barbosa Lima Sobrinho, o que chamou a atenção da comunidade internacional e principalmente do povo brasileiro, que percebeu de fato que o Brasil vivia em uma ditadura. Em 1978, Chico Pinto apoiou a candidatura à Presidência do general nacionalista Euler Bentes, que concorreu pelo MDB. Este episódio dividiu as Forças Armadas, que passaram a perceber que haviam muitos militares, de postos superiores, que não apoiavam o regime de força.

Portanto, considero que o nobre cidadão e político Chico Pinto é um dos políticos brasileiros mais importantes da segunda metade do século XX, bem como uma das pessoas que honraram e honram a Bahia, a Bahia de Todos os Santos e que sempre, no passado e no presente, prima pelas liberdades democráticas, por intermédio de seu povo e de políticos da fibra de Francisco Pinto, que é de Feira de Santana, cidade aberta a todos aqueles que querem viver em paz, trabalhar e criar os seus filhos.

*Luiz Fernando de Fabinho Araújo Lima (Fernando de Fabinho) é deputado federal pelo partido Democratas da Bahia.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]