Ferrovia da Integração desperta interesse de produtores do oeste da Bahia

Orçada em R$ 2,5 bilhões e projetada para ligar o litoral ao oeste da Bahia, a Ferrovia da Integração Oeste/Leste foi tema de reunião, ontem (11/12/2007), entre o secretário do Planejamento, Ronald Lobato, e um grupo de representantes de associações de produtores do oeste do estado.

O interesse dos empresários do agronegócio se justifica pela relevância do equipamento para o escoamento da produção agroindustrial da região, que na safra 2006/2007 produziu cerca de 5 milhões de toneladas de grãos.

“Temos deficiências de infra-estrutura e essa ferrovia vai viabilizar o desenvolvimento da região, que já se encontra em franca expansão”, afirmou o presidente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Humberto Santa Cruz Filho, segundo o qual a produção estimada para a safra 2007/2008 é superior a 6 milhões de toneladas de grãos, “mas a região tem potencial para produzir cerca de 10 milhões de toneladas de grãos/ano”.

Para Lobato, a ferrovia é um sonho antigo que vai proporcionar a integração da Bahia com o Oeste brasileiro e no futuro poderá chegar ao Oceano Pacífico, no Peru. “O Brasil é um país com a logística deteriorada, e a Bahia tem condições privilegiadas para oferecer alternativas econômicas”, declarou. Ele disse que, junto com a Norte/Sul e a Transnordestina, o estado passará a oferecer ao Oeste brasileiro condições de escoar sua safra e importar os insumos de que precisa.

A Oeste/Leste terá recursos dos governos federal e estadual e será uma ferrovia especializada em granéis, sendo a predominância de grãos, minérios e biocombustíveis produzidos nas regiões oeste, sudoeste e sul da Bahia.

Já para importação, beneficiará o escoamento de fertilizantes e derivados de petróleo do litoral até o oeste do estado. Com a construção da ferrovia, devem ser gerados mais de 10 mil empregos.

Agricultura de subsistência

O oeste da Bahia é composto por duas áreas de características fundiárias distintas: o vale e o cerrado. A região do vale margeia o Rio Grande e tem topografia variada, com predominância da agricultura de subsistência. As atividades mais tradicionais são mandioca, milho, arroz, feijão e pecuária.
No cerrado, área plana e, portanto, favorável à mecanização, desenvolveu-se o principal pólo agrícola da Bahia, onde se destaca um perfil produtivo de agricultura empresarial e intensiva, com foco nos agronegócios da soja, algodão, milho e café.

Além da Aiba, os produtores do oeste foram representados pela Associação Baiana de Produtores de Algodão (Abapa) e pelo Fundo para o Desenvolvimento do Agronegócio do Algodão (Fundeagro).

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]