Raimundo Varela: O messiânico

“Eu estava morto. Deus me deu essa última chance para fazer alguma coisa pela população pobre de Salvador”. Esta pérola foi proferida pelo apresentador de rádio e televisão Raimundo Varela, na terça-feira (30/11/2007), durante entrevista concedida, por ele, a uma emissora de rádio de Salvador. O apresentador falou como pré-candidato à prefeitura de Salvador, oportunidade em que aproveitou para espinafrar indistintamente as administrações municipais passadas e atual, e justificar o seu repentino interesse em ingressar no mundo da política baiana.

Este surto messiânico é um dentre muitos argumentos que surgem por parte dos postulantes a cargos públicos, com a aproximação das eleições. É muito comum nesse período, e até mesmo fora dele, aflorar em abundância estes tipos de aventureiros, traficantes de consciências que usam de subterfúgios e argumentos esdrúxulos para engabelar os incautos. Com esta postura de mistificador das grandes glebas urbanas, Varela deu a entender que procura justificar as suas investidas na vida pública, travestindo os seus interesses como se estes da coletividade fossem.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]