As rosas

A ORIGEM DAS ROSAS

Entre todas as flores conhecidas pelo homem são as rosas as de maior apelo e popularidade sem sombra de dúvida. Não há como resistir aos seus encantos e tanto o ato de receber como o de dar rosas tornou-se um símbolo universal de comunhão entre duas ou mais pessoas. Particularmente, as vermelhas são as que mais me fascinam e têm o poder de transportar-me de imediato aos mais remotos recônditos da minha velha alma. Olhar para elas é viajar no tempo-espaço e estar entre os antigos persas tidos como o primeiro povo a cultivá-la em jardins.

Conta-se que a primeira a despontar era vermelha e conforme suas sementes se espalhavam pelos solos do hemisfério norte e asiático tomaram outras formas e cores próprias. Assim como tudo o que é selvagem e natural nesse planeta as rosas nasciam de forma aleatória, onde as condições da terra fossem propícias ao seu aparecimento, até que um dia um amante perdidamente apaixonado a encontrou em seu devaneio e pode reconquistar, através de sua beleza, perfume e seu natural encanto novamente o amor que havia sido perdido numa curva do caminho. Consigo visualizar um grande átrio, entre varandas arqueadas e debruadas de rosas vermelhas, onde selaram pela eternidade essa paixão que os une até os dias atuais.

Mas essa é a minha “viagem”, o meu jeito de “ver” as rosas. Elas, de sua parte, não se restringem as minhas imagens e fragmentações de memórias de um eu atemporal; têm uma multiplicidade de cores e particularidades que encantam a todos os gostos a 200 milhões de anos pelo menos. Chegaram ao Brasil por meio dos jesuítas entre os idos de 1560 e 1570. Mais que como ornamento, ela é utilizada como alimento por algumas espécies de animais silvestres, além de possuírem propriedades fitoterápicas, produzindo óleos e essências utilizadas na produção de perfumes e cosméticos, indo parar inclusive nas nossas mais sofisticadas saladas.Seu nome tem origem no latim rosa e no grego rhodon. Suas primeiras espécies cultivadas datam de 5.000 anos atrás nos jardins asiáticos. Seus significados assumiram variações conforme as cores que se apresentam suas pétalas. Até mesmo as folhas têm um significado especial, o da esperança.

Um ramo de rosas desabrochadas quer dizer gratidão. A vermelha simboliza o amor, porém, acompanhadas de rosas brancas assumem o significado de unidade. Além do amor podem representar coragem e respeito e se forem em tons bem escuros dizem respeito a uma beleza inconsciente. As rosas cor-de-rosa traduzem graça e gentileza, enquanto as cor de laranja ou coral mostram entusiasmo e desejo. As de cor chá, híbridas, são ofertadas quando queremos dizer: “Sempre me lembrarei de ti”. As brancas podem falar de pureza, humildade, inocência, segredos e também mostram que quem as oferece sente-se digno de sua essência celestial. As amarelas indicam satisfação e alegria de viver, muitas vezes vinculadas aos ganhos financeiros e a prosperidade material. Os botões de rosas assumem significados diferentes.

Os vermelhos querem dizer “pura e encantadora”, já os brancos sugerem que “ a moça é por demais jovem para amar”.Enfim, são tantos os sentimentos que sua simples e marcante presença nos impõem que seria enorme a lista de significados que abstraem de nossa imaginação arquetípica e no momento vou ficando por aqui, desejando a todos uma vida repleta de beleza e significado, assim como a das rosas.

Fale comigo:[email protected]

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]